sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Ex-diretor da Petrobras citou nomes de 28 políticos em delação, diz jornal


Paulo Roberto Costa revelou ao MPF lista de beneficiários de esquema.

Políticos citados por ex-diretor da Petrobras negam ter recebido propina.

Do G1, em Brasília
Preso em março pela Operação Lava Jato, o ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa revelou no acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF) o nome de 28 políticos supostamente beneficiados pelo esquema de corrupção que atuava na Petrobras, segundo reportagem publicada na edição desta sexta-feira (19) do jornal "O Estado de S. Paulo".
A publicação afirma que entre os mencionados por Costa estão o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão; os ex-ministros Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil), Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Mário Negromonte (Cidades); o governador do Acre, Tião Viana (PT); os ex-governadores Sérgio Cabral (Rio) e Eduardo Campos (Pernambuco), além de deputados e senadores de PT, PMDB, PSDB e PP (confira mais abaixo o que disseram os políticos citados).
De acordo com o jornal, nos depoimentos que prestou aos procuradores da República entre agosto e setembro para tentar reduzir sua eventual pena, Paulo Roberto Costa disse que Palocci pediu, em 2010, um repasse de R$ 2 milhões para a campanha da então candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff. À época, o ex-ministro era um dos três coordenadores da campanha petista ao Palácio do Planalto.
Palocci comandou o Ministério da Fazenda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e, posteriormente, a Casa Civil na gestão Dilma. Ele encerrou sua última passagem pela Esplanada dos Ministérios em 2011, após a revelação de que teve o patrimônio multiplicado por 20 entre 2006 e 2010, período em que foi ministro da Fazenda e deputado federal pelo PT.
VALE ESTE (2)!!!!! Lista dos políticos mencionados por Paulo Roberto Costa na delação premiada (Foto: Arte/G1)

Fato Relevante - Alienação de Ativos na Colômbia

ÓLEO E GÁS PARTICIPAÇÕES S.A. - Em Recuperação Judicial
CNPJ/MF: 07.957.093/0001-96
Companhia Aberta - BOVESPA: OGXP3
OGX PETRÓLEO E GÁS S.A. - Em Recuperação Judicial
CNPJ/MF: 08.926.302/0001-05
Companhia Aberta - BOVESPA: OGSA3
Fato Relevante
Alienação de Ativos na Colômbia -

Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2014 - A Óleo e Gás Participações S.A. - Em Recuperação Judicial ("OGpar") (Bovespa: OGXP3; OTC: OGXPY.PK) e OGX Petróleo e Gás S.A. - Em Recuperação Judicial ("OGX") (Bovespa: OGSA3), em cumprimento ao Artigo 157, parágrafo 4º da Lei nº. 6.404/76 e da Instrução CVM nº. 358/02 e em complemento aos Fatos Relevantes divulgados em 25 de abril e 11 de julho de 2014, informa que concluiu a venda de: 100% dos blocos localizados nas bacias do Vale Inferior Magdalena ("VIM-5" e "VIM-19) e de 100% dos direitos econômicos dos blocos localizados nas bacias de Cesar Rancheria ("CR-2", "CR-3" e "CR-4"), conforme comunicado emitido pela Agência Nacional de Hidrocarburos ("ANH") aprovando oficialmente as referidas operações. Com relação aos blocos CR-2, CR-3 e CR-4, a OGX permanecerá provisoriamente como operadora dos blocos. A referida operação está formalmente aprovada pela  ANH (autoridade regulatório colombiana correspondente à ANP).
 A operação de venda dos blocos VIM-5 e VIM-19 prevê: o pagamento à OGX de (i) cerca de US$ 30 milhões e (ii) royalties de 3% da receita gerada pela venda de hidrocarbonetos nos referidos blocos; a liberação da Companhia com relação às obrigações regulatórias (no valor aproximado de US$ 75 milhões); bem como a restituição de cerca de US$ 7,7 milhões que haviam sido depositados como contra garantia à cartas de crédito requeridas pela ANH.
 A venda dos blocos CR-2, CR-3 e CR-4 prevê transferência inicial de 70% da participação nos blocos para o comprador, permanecendo a OGX provisoriamente como operadora e detentora de 30% do ativo, assim como igualmente libera a Companhia de obrigações regulatórias já vencidas em processo de cobrança pela ANH no valor aproximado de US$ 72 milhões, bem como proporciona a restituição de cerca de US$ 6,3 milhões que haviam sido depositados como contra garantia à cartas de crédito requeridas pela ANH.
 Os termos e condições das operações acima mencionadas estão alinhados ao Plano de Recuperação Judicial e ao processo de reestruturação da Companhia, desoneram a Companhia dos custos exploratórios obrigatórios e de contingências regulatórias, bem como proporcionam a geração de caixa no curto prazo de maneira a ampliar a liquidez da Companhia.

Surpresa: Novo presidente na Petrobras?

Agenda do investidor para esta sexta-feira
IPCA-15 (IBGE): identifica as variações nos gastos das famílias que ganham de um a quarenta salários mínimos nas principais regiões metropolitanas brasileiras. Pesquisa Mensal de Emprego (IBGE): conjunto de dados sobre a força de trabalho que permitem avaliar as flutuações e a tendência, a médio e a longo prazos, do mercado de trabalho. Nota de Setor Externo (BACEN): números mensais sobre o balanço de pagamentos, reservas internacionais e dívida externa.
Surpresa: Novo presidente na Petrobras?
O jornal Folha de S.Paulo apresenta reportagem hoje afirmando que a presidente Dilma Rousseff mudou de ideia e já pensa na possível substituição de Maria das Graças Foster no comando da Petrobras (PETR4). Segundo o jornal, alguns nomes já circulam como potenciais candidatos: Rodolfo Landim, ex-presidente da OGX Petróleo (OGXP3), e Nildemar Secches, que já presidiu o conselho de administração da BRF (BRFS3).