sexta-feira, 28 de agosto de 2015

PIB BRASIL VAI PARA O BURACO. A ECONOMIA BRASILEIRA ENCOLHEU.

Recessão: PIB do Brasil vai para o buraco
A economia brasileira encolheu 2,6% no segundo trimestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado, segundo os dados do PIB (Produto Interno Bruto) publicados nesta manhã pelo IBGE. Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, o PIB registrou contração de 1,9%. O IBGE também revisou para baixo o PIB do primeiro trimestre deste ano, de queda de 0,2% para queda de 0,7%, e do último trimestre de 2014, de crescimento de 0,3% para crescimento nulo. No primeiro trimestre ano a economia brasileira já havia recuado 0,2%. O segundo trimestre seguido de recuo mostra que o Brasil está em recessão.
Agenda do investidor para esta sexta-feira
IGP-M (FGV): índice de inflação calculado todo o mês e comumente utilizado para a correção de contratos de aluguel e tarifas de energia elétrica. PIB: O IBGE divulga o PIB (Produto Interno Bruto) do segundo trimestre de 2015. Personal Income and Outlays: dados de renda e dispêndio dos consumidores norte-americanos. Nota de Política Fiscal: dados sobre o montante e composição da dívida pública federal. Consumer Sentiment: índice que revela a confiança e expectativa do consumidor norte-americano em relação à economia em geral, apresentado pela Universidade de Michigan/Reuters.

FONTE: ADVFN

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Xangai subiu +5,3%


Governo chinês voltou a intervir pesado, no sentido de “salvaguardar” a estabilidade do mercado de ações. 

Bolsa de Xangai subiu +5,3% nos minutos finais do pregão, de forma alucinada, depois de estar caindo -1%. 

Isso cheira mal - mas já era esperado. 

Se as autoridades chinesas ainda têm munição para gastar, com certeza vão gastá-la. 

Já no Brasil, o Governo não consegue salvaguardar a si mesmo, quanto mais a economia. 

Os últimos resquícios de munição produzem fagulhas e ruídos.

CPMF para 2016.

CPMF vai voltar em 2016?
O Governo já estuda a volta da CPMF para fechar um rombo estimado em cerca de R$ 80 bilhões nas contas da União em 2016 segundo reportagens dos principais jornais do País. Não se sabe se a alíquota do imposto voltaria a ser de 0,38% sobre movimentações financeiras ou uma menor taxa para passar despercebida pelos contribuintes. Outra vantagem segundo os técnicos do governo seria facilitar a fiscalização da Receita Federal já que a CPMF é um imposto considerado difícil de sonegar e dá uma noção do tamanho real da movimentação financeira dos contribuintes sem a necessidade de quebras dos sigilos bancários.
Agenda do investidor para esta quinta-feira
Sondagem da Construção: conjunto de informações usadas no monitoramento e antecipação de tendências econômicas do setor. INCC-M: índice que mede a evolução dos custos de construções habitacionais nas principais capitais do Brasil. GDP (P): preliminar do Produto Interno Bruto dos EUA no segundo trimestre. Jobless Claims: solicitações de benefício a desempregados nos EUA. Pending Home Sales Index: vendas pendentes de imóveis nos EUA.