SRCM


STRUCTURE OF RISK AND CAPITAL MANAGEMENT (SRCM)

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CAPITAL 

A gestão de riscos e capital é um dos pilares da administração financeira. Neste contexto, e dentro dos princípios da governança corporativa, o YBBRIO UK dispõe de uma estrutura de gerenciamento de riscos e capital compatível com sua estratégia de crescimento e com a complexidade de suas operações, onde objetiva a identificação, mensuração, avaliação, monitoramento, reporte, controle e mitigação das modalidades de riscos plenamente alinhados com o monitoramento e planejamento do capital existente, bem como a avaliação das necessidades de capital para fazer frente aos riscos aos quais está exposto. 

Ainda na respectiva estrutura de gerenciamento de riscos e capital na YBBRIO UK, no nível das áreas administrativas, a YBBRIO UK dispõe-se da Superintendência Executiva de Gestão de Riscos, onde tem o seu escopo orientado na gestão de todas as modalidades de riscos e na apuração do capital regulatório, e da Superintendência Executiva de Planejamento, Controle e RI, onde está responsável pelo gerenciamento e planejamento de capital, além de outras atribuições. As áreas de Gerências de Riscos têm como atribuição identificar, mensurar, controlar, avaliar e administrar os riscos, assegurando a consistência entre os riscos assumidos e o nível aceitável do risco definido pela YBBRIO UK. 



ANALISE FINANCEIRO


A análise financeira refere-se à avaliação ou estudo da viabilidade, estabilidade e capacidade de lucro de um negócio ou projeto. 
Engloba um conjunto de instrumentos e métodos que permitem realizar diagnósticos sobre a situação financeira de uma empresa, assim como prognósticos sobre o seu desempenho futuro.
Para que o analista possa verificar a situação econômico-financeira de uma empresa, é fundamental o recurso a alguns indicadores. 
Os mais utilizados são aqueles que assumem a forma de razão. 
Estes apresentam uma vantagem, não só de tornar mais precisa a informação, como também de facilitar comparações, quer para a mesma empresa, ao longo de um certo período de tempo, quer entre empresas distintas, num mesmo referencial de tempo. 
Contudo, convém salientar que os rácios apenas constituem um instrumento de análise. Esse instrumento deve ser complementado por outros tantos. Com efeito, a análise de indicadores fornece apenas alguns indícios que o analista deverá procurar confirmar através do recurso a outras técnicas.
A análise financeira é, assim, a capacidade de avaliar a rentabilidade das empresas, tendo em vista, em função das condições atuais e futuras, verificar se os capitais investidos são remunerados e reembolsados de modo a que as receitas superem as despesas de investimento e de funcionamento.
De forma a alcançar a sobrevivência e desenvolvimento pretendido pela empresa, a avaliação e interpretação da situação econômico-financeira de uma empresa centra-se nas seguintes questões fundamentais:
  • equilíbrio financeiro;
  • rentabilidade dos capitais;
  • crescimento;
  • risco;
  • valor criado pela gestão.
O recurso à análise financeira é extremamente importante para as diversas partes interessadas numa boa gestão empresarial, sendo que essas partes interessadas são gestores, credores, trabalhadores e as respectivas organizações, Estado, investidores e clientes.
Cada grupo ou indivíduo tem diferentes interesses, por isso fazem a análise financeira mais adequada aos objetivos pretendidos. Apesar desses objetivos poderem ser diferentes, as técnicas utilizadas baseiam-se, fundamentalmente, no mesmo conjunto de informações econômico-financeiras:

  • balanço patrimonial;
  • demonstração de resultados líquidos;
  • demonstração dos fluxos de caixa.

Este instrumento de apoio nos da uma  uma enorme quantidade de informação, e comparar o desempenho econômico-financeiro das empresas ao longo do tempo. Constituem assim uma base da análise financeira. 




Hoje temos uma  equipe  de Research muito eficiente , que nos  auxilia nossos negócios de Sales & Trading.

Nossos clientes têm total consultoria às avaliações, modelos analíticos quantitativos e qualitativos de tendências, além de consultoria de nossa qualificada equipe.

Parâmetros para os relatórios de análise.

Os relatórios de análise devem ser datados, escritos de forma clara, objetiva e profissional, a fim de diferenciar dados factuais de interpretações, projeções, estimativas e opiniões. 

A inclusão de fontes, premissas relevantes e metodologia utilizada no estudo é altamente recomendável. 

Qualquer dado proveniente de terceiros deve ter sua confiabilidade avaliada antes de ser divulgado ou utilizado como fundamento da análise. Altos critérios analíticos devem ser empregados na elaboração do relatório. 

É imprescindível que o analista possua base razoável, calcada em dados, para suportar suas opiniões. 

Todos os relatórios de análise serão enviados  para o  Compliance, pelo Jurídico e pelos analistas revisores do Departamento de Research do nosso fundo.






*Documentos para operações e investimentos /Brasil.

Uma due diligence é um processo de auditoria em que são verificados eventuais passivos pré-existentes ou possíveis de ocorrem devido a fatos anteriores. 

Este questionário foi elaborado com base em padrões usuais de mercado, mas de forma reduzida, não dispensando uma análise mais detalhada do negócio por especialistas (analistas).

Sendo assim o(s) sócio(s) da empresa deve(m) responder às questões da forma mais verdadeira e transparente possível. Se tiver dúvida sobre alguma questão, estamos à disposição para esclarecer.
A existência de qualquer apontamento ou dívida não implica em impeditivo para efetivação do investimento, pois o importante é a sua relevância para o negócio.

O que for apurado na due diligence pode resultar em alterações na avaliação da empresa ou mesmo na estrutura jurídica da operação e o rating para o fundo.

.