março 18, 2021

Giro no mercado

 

As Bolsas mundiais, os mercados mundiais operam com cautela após reunião do Fed; as Bolsas asiáticas e europeias têm altas, e futuros americanos têm resultados variados.

Na Ásia, as principais bolsas asiáticas encerraram em alta. O índice Topix do Japão ultrapassou a marca de 2.000 pela primeira vez desde 1991, tornando-se o índice de ações que mais valorizou na Ásia em 2021. O indicador da Ásia-Pacífico da MSCI Inc. aumentou mais de 1%. Os rendimentos dos títulos do governo do Japão aumentaram com um relatório do Nikkei de que o Banco do Japão está considerando ampliar a faixa de negociação em torno da meta de 10 anos, o que pode gerar preocupações sobre o aperto da política monetária. O índice Nikkei 225, do Japão, subiu 1,01%; o Kospi, da Coreia do Sul, subiu 0,61%; o índice Hang Seng, de Hong Kong, subiu 1,21%; o composto Shanghai, da China, subiu 0,51%.

Na Europa, as bolsas europeias operam na maioria em alta. O índice Eurostoxx, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 economias europeias, tem leve alta. As ações da Volkswagen subiram mais 6% pela manhã, dando continuidade à sequência de altas da última semana, após o banco JPMorgan elevar seu preço-alvo para as ações. Os papéis da Porsche e da fabricante de peças Varta também tiveram altas de mais de 5%. Os mercados europeus aguardam pela conclusão da Agência Europeia de Medicamentos sobre a segurança da vacina contra o coronavírus desenvolvida pela parceria entre AstraZeneca e Universidade de Oxford. O comitê de segurança da instituição deve se reunir nesta quinta, após alguns países, entre eles Alemanha, Espanha, França, Itália e Suécia, suspenderem a aplicação do imunizante devido à preocupação de que ele poderia estar causando coágulos sanguíneos.

Nos Estados Unidosos índices futuros mantêm sem tendência definida. Na quarta-feira (17), o Federal Reserve concluiu sua reunião de dois dias, depois anunciou que não espera altas nas taxas de juros referenciais até 2023, de acordo com a expectativa do mercado. Atualmente, a meta para a taxa de juros está em entre 0% e 0,25%. O presidente do Fed, Jerome Powell, ressaltou que o banco central quer ver a inflação consistentemente acima da meta de 2%, e sinais de melhora no mercado de trabalho dos Estados Unidos, antes de considerar mudanças nas taxas ou em sua política de compra mensal de títulos, atualmente em US$ 120 bilhões por mês. O Fed disse que espera que o PIB cresça 6,5% em 2021, antes de desacelerar nos próximos anos. E que a inflação suba 2,2% este ano, medida pelos gastos com consumo pessoal. O Fed também disse esperar que o desemprego nos Estados Unidos caia dos 6,2% atuais para 4,5%. Em dezembro, a instituição havia previsto queda a 5%.