August 20, 2020

Mercado internacional

 Um dia após o S&P 500 encerrar o período mais curto de um mercado de baixa (bear market) da história, cravando um novo recorde de alta, a autoridade monetária chamou a atenção para os “riscos consideráveis” às perspectivas econômicas dos Estados Unidos no médio prazo.

 
Com a sinalização do Fed de preocupações com o impacto contínuo do coronavírus na economia, as ações recuaram e o dólar americano subiu, com a busca por proteção. O mercado ainda aguarda a nova data para americanos e chineses reverem a fase I do acordo comercial que, segundo o Wall Street Journal, será nos próximos dias.
 
Os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram no vermelho. Ainda assim, as perdas são moderadas. Na Europa, as principais bolsas abriram em queda, reagindo à postura cautelosa e à perspectiva desanimadora do Fed. A sessão na Ásia também foi de reação ao Fed, sendo que a disputa entre EUA e China também pesou.
 
As tensões geopolíticas continuam na agenda depois que o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, alertou a Rússia e a China para não violarem a reimposição de sanções da ONU ao Irã.
 
Na Ásia, o Shangai SE recuou 1,30% e o Hang Seng Index, de Hong Kong, registrou desvalorização de 1,54%. Em Tóquio, o Nikkei 225 recuou 1%. Kospi liderou as perdas com queda de -3,66%, após os casos de coronavírus aumentando três dígitos pelo sétimo dia consecutivo.
 
Os futuros internacionais de petróleo WTI (NYMEX:CL\V20) estão sendo negociados a US$ 42,66, queda de -0,7%. O Brent (NYMEX:BZ\V20) opera em queda de -1,0%, negociado a US$ 44,93.