"FATO RELEVANTE"

"Nossa empresa não opera com intermediários , não cobramos comissões sobre os projetos em analises.” Somente com o correspondente em Goiânia ,Fernando ferronato ferronato@ybbrio.com.

.

.

maio 20, 2020

Giro no Mercado com Alexandre Yokoyama



O mercado financeiro deu um jeitinho e vai funcionar normalmente, apesar de a Prefeitura de São Paulo ter antecipado o feriado de Corpus Christi, que neste ano ocorre em junho, e o Dia da ConsciênciaNegra, celebrado apenas em novembro.

Os investidores ainda digerem a declaração do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, de que a economia dos EUA só irá voltar à normalidade com a descoberta de uma vacina. Por sua vez, o otimismo sobre uma vacina foi abalado, após dúvidas em relação ao resultado de testes “promissores”.

Na Europa, o apetite por risco está menor, com os investidores refletindo o menor ânimo com a vacina, que não repercutiram na véspera nos mercados do Velho Continente. Os investidores avaliam quais serão os efeitos na economia da redução gradual das medidas de isolamento social nos principais países da Europa. Também aguardam a evolução do plano de estímulo fiscal de 500 bilhões de euros (cerca de US$ 550 bilhões) proposto pela Alemanha e França para a União Europeia e questionam se esse valor será suficiente para dar suporte às regiões mais afetadas.

Na Ásia, a sessão foi mista, digerindo a decisão do Banco Central chinês (PBoC), de manter a taxa referencial de juros para empréstimos. O Nikkei, de Tóquio, registrou queda de 0,51%. O índice CSI recuou 0,53%. Já o Hang Sang, de Hong Kong, ficou perto da estabilidade, com pequena variação positiva de 0,05%.

Os futuros da Bolsa de Nova York operam em alta nesta quarta-feira apoiados na expectativa da reabertura gradual da economia e uma solução para a pandemia do coronavírus. A cautela está relacionada à recuperação da economia em um momento em que ainda não se tem uma solução para a Covid-19, apesar dos esforços para se desenvolver uma vacina ou um tratamento que se mostre eficaz.

No radar dos investidores, está ainda a divulgação dos estoques de petróleo nos Estados Unidos, que pode influenciar o processo de recuperação do preço da commodity nos últimos pregões.

O WTI (NYMEX:CL\N20) está sendo negociado a US$ 32,07, com alta de 0,3%. Os futuros internacionais de petróleo Brent (NYMEX:BZ\N20) operam agora em alta de 1,2%, negociado a US$ 34,99.

Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian fecharam em alta de 0,93%, cotados a 704.500 iuanes, equivalente hoje a US$ 99,13.

Bitcoin é negociado a US$ 9.776.

Coronavírus

Depois da euforia de segunda-feira, especialistas alertaram para o fato de que o laboratório Moderna não forneceu muitas informações sobre os testes, aplicados em apenas oito pessoas, segundo o site especializado STAT News. Além disso, haverá um longo caminho até que ela esteja disponível para deter a epidemia.

O Brasil bateu recorde de mortes registradas em um dia em razão da Covid-19, com 1.179. Os números no Brasil avançam, com 271.885 casos e 17.983 mortes confirmadas hoje pela Universidade Johns Hopkins.

Durante coletiva ontem, o coordenador do centro de contingência da Covid-19 em São Paulo, Dimas Covas, disse que o Estado está “perdendo para o vírus”, e que haverá reforços nas medidas de isolamento até que haja “controle da situação”.

Brasil

É grande a possibilidade de Celso de Mello levantar hoje o sigilo total do vídeo da reunião ministerial em que Bolsonaro teria tentado forçar a troca do comando da PF.

Às 15h, é importante o depoimento de Paulo Marinho à PF, na investigação do suposto vazamento da Operação Furna da Onça a Flávio Bolsonaro. Na semana passada, ele afirmou, em entrevista, que Flávio Bolsonaro teria sido avisado por um delegado da PF sobre a operação que investigava a prática de “rachadinha”. O empresário, suplente de Flávio no Senado, alega ter “elementos que comprovam” seu relato.

Ibovespa e dólar ontem

O Ibovespa fechou em baixa de -0,56%, aos 82.174 pontos, pressionado pela incerteza sobre a vacina contra o COVID-19. O volume financeiro negociado no Ibovespa foi de R$ 24,54 bilhões. Na mínima, o índice atingiu 80.647 pontos (-0,67%), e na máxima 82.174 pontos (+1,21%).

O destaque corporativo hoje vai para Via Varejo (VVAR3), que chegou a se valorizar mais de 6% no pregão, após a notícia de que a empresa obteve uma decisão favorável no Tribunal Regional com a recuperação  de R$ 374 milhões, que tinham sido pagos em 2014, nos impostos de mercadorias.

O dólar fechou em R$5,763, queda de 0,65%. Ontem teve leilão extra de swap cambial de US$500 milhões. Um relatório da ABN Amro cita o real entre as cinco moedas emergentes frágeis e diz que a perda da moeda brasileira ainda não terminou.

Agenda Econômica

Nos Estados Unidos sai a ata da última reunião de política monetária do Fomc (15h) e os estoques de petróleo bruto e derivados nos EUA (11h30). Na Europa, teremos a leitura final de abril do índice de preços ao consumidor (CPI) na zona do euro.

Na agenda doméstica, serão conhecidos uma nova prévia deste mês do IGP-M (8h) e os dados semanais sobre o fluxo cambial no Brasil (14h30).

No feriadão em São Paulo, os bancos atendem o público em horário reduzido, entre 10h e 14h, mas os pregões na B3 operam normalmente.

■ Commodities  

Minério de ferro: CContratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian fecharam em alta de 0,93%, cotados a 704.500 iuanes, equivalente hoje a US$ 99,13.

Petróleo WTI:  +0,47% (US$ 32,11, barril).

Petróleo Brent:  +1,24% (US$ 35,08 barril). 


Alexandre Yokoyama
Ceo