"FATO RELEVANTE"

"Nossa empresa não opera com intermediários , não cobramos comissões sobre os projetos em analises.” Somente com a plataforma operacional Brasil em Goiânia esta autorizada a nos representar , ferronato@ybbrio.com.

.

.

abril 24, 2020

Possível demissão de Sergio Moro, início da temporada de balanços

Os ruídos políticos vindos de Brasília, após a saia justa envolvendo dois “super ministros”, deixam a sensação de que o cenário doméstico ainda pode piorar mais, antes de melhorar. O temor é de uma escalada da crise, ainda mais após a decisão da Suprema Corte (STF) de investigar os protestos contra a democracia e a omissão da Câmara sobre o pedido de impeachment contra Bolsonaro.
O ministro da Justiça, Sérgio Moro, fará um pronunciamento às 11h. 
Somadas, essas preocupações tendem a manter os negócios locais pressionados hoje, com a Bolsa brasileira podendo sucumbir à perda de força dos mercados no exterior nesta manhã e o real continuar não valendo muito, apesar da atuação (sem surpresas) do Banco Central.
Ibovespa e dólar ontem
O Ibovespa terminou em 79.673 pontos, queda de 1,26%, com notícias de falha de remédio para a Covid-19 e susto com possível saída de Moro após se aproximar dos 82 mil pontos na máxima do dia. O ânimo se deu com a alta do petróleo e a retomada gradual das atividades – Lojas Renner anunciou que volta hoje. Petrobras, Vale, Klabin e Suzano foram os destaques positivos. Os principais destaques negativos do índice foram B3, bancos, Notre Dame e Hypera, que dá largada à temporada de balanços do primeiro trimestre.
O dólar emendou o terceiro pregão de alta e o segundo batendo recorde histórico, mesmo após três leilões surpresa de swap cambial do BC, em que colocou 28 mil contratos no total, além de uma rolagem para junho de 10 mil contratos e leilão de linha para amanhã. Após atingir uma máxima no dia em R$5,56, a moeda ficou em inéditos R$5,538, com alta de 1,35%.
Agenda Econômica
A semana chega ao fim com a agenda econômica sem grandes destaques. No Brasil, saem a prévia do índice de confiança da indústria em abril (8h) e a nota sobre o setor externo em março (9h30). Os dados do BC vêm ganhando importância, em uma tentativa de mensurar o impacto da recessão no mundo sobre as contas externas do país.
O déficit nas transações correntes gira um pouco abaixo de 3% do PIB, mas deve piorar. A conferir também a disposição dos estrangeiros em investir por aqui.
O mercado acompanha os números da Hypera, que inaugura a temporada de balanços do primeiro trimestre, e os dados de contas externas brasileiras de março. Nos EUA, saem os Pedidos de Bens Duráveis e de Bens de Capital e, na Alemanha, o índice IFO de Expectativas, indicadores que não devem trazer boas notícias para os mercados.
■ Commodities  
Minério de ferro: Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian fecharam em queda de -0,41%, cotados a 607.000 iuanes, equivalentes a US$ 85,70.
Petróleo WTI:  -0,67% (US$ 16,40, barril).
Petróleo Brent:  -0,66% (US$ 21,19 barril).

NomePreçoVar(%)
US Dollar vs BRL5,54+0,01%
Euro vs BRL5,97+0,14%
Sterling vs BRL6,84+0,00%
Yen vs BRL0,05+0,10%