outubro 17, 2019

De olho no mercado

Mercados... Mercados asiáticos encerraram com desempenhos mistos nesta 5ªF, sem grandes destaques. Na zona do euro, índices de mercado iniciaram o dia em tom positivo, com o índice pan-europeu, STOXX 600, avançando 0,2% até o momento. Em NY, índices futuros também operam com viés de alta, enquanto o dólar (DXY) registra desvalorização mais acentuada contra seus principais pares - destaques são o euro e a libra esterlina. 
Resultado de imagem para santander superdigital
Acordo alcançado... A notícia de que a UE e o Reino Unido chegaram a um acordo em torno dos termos do Brexit impulsionou o desempenho dos ativos de ao redor do mundo e levou a libra esterlina a uma máxima de 5 meses contra o dólar (US$ 1,29) na manhã desta 5ªF. Através de seu Twitter, o Premiê britânico, Boris Johnson, anunciou que um "grande acordo" foi alcançado, e reforçou que o Parlamento deve finalizar o divórcio no sábado, abrindo espaço para que se altere foco para outras prioridades na agenda política do país.
Do outro lado, o presidente da Comissão Europeia confirmou o entendimento, alegando que um acordo "justo e balanceado" havia sido costurado com sucesso pelos negociadores de ambas as partes.

Tudo certo, nada resolvido... Apesar do avanço na direção do Brexit, ainda não está claro se o Parlamento britânico irá ratificar o novo acordo no fim de semana. A incerteza paira justamente sobre a forma com que a questão da fronteira com a Irlanda do Norte será resolvida, tema que ainda tem o potencial de gerar contestação. Em seguida, o novo texto também terá de ser aprovado pelas autoridades europeias para concretizar o divórcio, tudo antes da data limite do dia 31 de outubro. Por isso, apesar da euforia dos mercados no anúncio do acordo, acreditamos que certa cautela deve ser mantida para as próximas etapas. Vamos acompanhar...

Na agenda... O mercado busca novas pistas sobre a situação atual das duas maiores economias do mundo. Às 10h15, a divulgação dos números da produção industrial de setembro pelo Fed serve como mais um termômetro para medir da saúde da economia americana enquanto, no fim do dia, o PIB chinês traz a primeira leitura do crescimento do país no 3T19.

■ Brasil

PSL vs. PSL... Ontem, a disputa interna dentro do partido do presidente da República resultou em uma batalha pela liderança do partido na Câmara dos Deputados. A intenção da ala bolsonarista é remover o delegado Waldir (GO) do posto e transferir o título para Eduardo Bolsonaro (SP). Uma lista de assinaturas foi composta pelos deputados favoráveis ao presidente para desbancar o atual líder e promover o filho do presidente.
Outra lista de assinaturas foi composta para trazer o delegado de volta ao cargo, que foi derrotada por uma terceira lista que efetuou a transferência da liderança para a ala bolsonarista (definitivamente?).

Embaixada e a palavra de Maia... A batalha na Câmara pode afetar a nomeação de Eduardo para embaixada de Washington D. C., apesar desta decisão ser prorrogativa dos Senado. O presidente da casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), demonstrou a sua preocupação em torno da briga que costura o caos pelo seu reinado "A crise do PSL não pode contaminar o plenário... nós estamos todos em uma (mesma) canoa" disse o presidente da Câmara. Maia deve dar a palavra final em torno do embate pela liderança partidária dos deputados.

Fusão com o DEM... Durante churrasco realizado para comemorar o aniversário do deputado Alexandre Frota (DEM-SP), que foi expulso do PSL em agosto e se tornou um dos críticos mais árduos do bolsonarismo nas redes sociais, a possibilidade de que os deputados do PSL que são fiéis ao presidente do partido, Luciano Bivar (PE), realizem uma fusão partidária DEM-PSL foi discutida. Maia supostamente deu o seu aval à possível fusão das siglas, mas só se o presidente da República optar por abandonar o seu atual partido.

Consequências... Independente do desfecho e quem acabe em qual sigla, esse conflito intrapartidário deve dificultar o relacionamento do presidente com o Legislativo. Bolsonaro já deve ter perdido, ao menos, 20 votos anteriormente garantidos na Câmara dos Deputados como resultado da rixa com Luciano Bivar. O conflito dentro do próprio partido atrofia a sua capacidade de articulação com a Câmara como um todo, tronando a aprovação de medidas importantes ainda mais difícil.

Ao custo do que... Tudo isso é resultado de uma tentativa de se afastar dos mal feitos do Luciano Bivar com os recursos do Fundo Partidário? Exagero precipitado. De um ponto de vista estratégico, uma manobra mais inteligente envolveria aguardar que Bivar fosse incriminado e só depois, com o presidente da sigla enfraquecido pelas acusações, articular a expulsão do deputado do partido.

Na agenda... Não existem indicadores relevantes a serem divulgados no dia de hoje.
Fonte: Guide Investimentos

■ Commodities 

Minério de ferro: A sessão desta quinta-feira foi marcada, mais uma vez, por desvalorização para os contratos futuros do minério de ferro, que são negociados na bolsa de mercadorias da cidade chinesa da Dalian. O ativo com o maior volume de negócios, com entrega para janeiro do próximo ano, cedeu 2,23% encerrando a 615,00 iuanes.
Petróleo: Os Futuros do Petróleo caíram durante a sessão asiática. Na bolsa mercantil de Nova York, os contratos futuros do petróleo, com vencimento em Novembro, foram negociados na entrega a US$ 52,88 por barril no momento da escrita, recuando 0,90%.
Ouro: Os contratos futuros do Ouro caíram durante a sessão asiática. Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, os contratos de referência do Ouro, com vencimento em dezembro, encerraram a jornada a US$ 1.492,10 por onça troy, recuandoo 0,13%.