outubro 16, 2019

De olho no mercado ...

Resultado de imagem para santander superdigitalMercados... Mercados asiáticos encerraram sessões sem direção única. Bolsas de Tóquio (+1,2%) e de Hong Kong (+0,6%) avançaram na contramão do índice de Shanghai, que registrou queda de 0,4% no dia. Na zona do euro, índices de mercado abriram em tom levemente negativo, com o índice pan-europeu, STOXX 600, caindo 0,1% até o momento. 

Em NY, índices futuros também operam com tendência de baixa, enquanto o dólar (DXY) se mantém próximo à estabilidade. 

Fluxo negativo... O fluxo de notícias tem os mercados operando com tom um pouco mais negativo na manhã desta 4ªF. Na frente da disputa comercial entre Estados Unidos e China, a aprovação por unanimidade de uma série medidas apoiando os manifestantes em Hong Kong pelo Congresso americano pode vir a dificultar a relação do país com a China. Em pronta resposta aos eventos nos EUA, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores chinês disse que, se as propostas passarem a vigorar, "Pequim adotará medidas para salvaguardar sua soberania".
Ainda não há indício de que o acordo parcial firmado entre as duas maiores economias do mundo na última rodada de negociações será comprometido, mas o fato de a China já estar cogitando retaliação não é recebido como bom sinal nesta frente.

No meio do caminho... Na zona do euro, a falta de progresso nas negociações entre a UE e o Reino Unido por um acordo do Brexit desanimou investidores, que já esperavam avanços na noite d ontem. A demora faz parecer que as partes ainda estão tendo dificuldades de chegar a um consenso, retrato oposto das sinalizações otimistas que foram transmitidas ontem.
Seja como for, mesmo se um novo acordo com a UE seja costurado pelo governo britânico, o texto ainda terá de ser aprovado pelo Parlamento em um curto espaço de tempo. Em função disso, as bolsas do bloco já refletem certo desconforto desde a abertura e a libra esterlina volta a ser pressionada no mercado de câmbio.

Na agenda... A temporada de balanços segue a frente no noticiário nos Estados Unidos, com o BofA Merryl Lynch divulgando seus resultados às 7h45. Na agenda econômica americana saem as vendas no varejo de setembro (9h30) e o Livro Bege do Fed (15h), que traz mais pistas sobre a percepção que o BC americano tem da situação corrente da economia americana. Mais cedo, as exportações e importações registraram novas quedas no velho continente em agosto, reforçando mais uma vez a fragilidade da economia europeia.

■ Brasil

Senado aprova divisão do megaleilão por unanimidade... Na noite de ontem, todos os 68 senadores presentes em plenário votaram a favor do projeto que determina a divisão da cessão onerosa. A ausência de votos contrários foi resultado de um acordo prévio que vem sido discutido nas últimas semanas. O leilão está marcado para o dia 6/11. A definição em torno do assunto abre o caminho para a última rodada de votos necessária para aprovar a nova Previdência, que deve ocorrer no dia 22/10.

Divisão dos recursos... Caso a licitação realmente gere os R$ 106,5 bilhões que são esperados, os recursos serão divididos da seguinte forma: $ 72,9 bilhões para a União, R$ 33,6 bilhões para a Petrobras, R$ 10,9 bilhões para os estados (exceto o RJ), R$ 10,9 bilhões para os municípios e R$ 2,185 bilhões para o RJ.

Estados com maiores e menores cotas... Com a exceção do RJ, que foi remunerado de forma diferenciada, por ser o estado de origem do recurso natural, os estados que receberão as maiores parcelas dos recursos são MG (848 milhões), BA (763 milhões) e PA com (706 milhões). Os estados que receberam as menores cotas incluem MS (253 milhões), RR (227 milhões) e SC (199 milhões).

Munícipios e estados devem usar recursos para cobrir as suas respectivas Previdências... O dinheiro que será destinado aos entes inferiores só pode ser gasto com aposentadorias ou investimentos. Os municípios podem priorizar qualquer um dos dois, enquanto os estados só poderão fazer os investimentos caso não na haja déficit nas aposentadorias.

FMI aumenta previsão de crescimento para 2019, mas reduz para 2020... O Fundo Monetário Internacional atualizou as suas previsões de crescimento do PIB brasileiro. A rodada anterior de atualizações foi divulgada em julho. Para o Brasil, houve uma pequena alteração positiva para a projeção de 2019, que aumentou de 0,8% para 0,9%. Para 2020, a alteração foi mais acentuada e para o lado contrário, a expectativa de crescimento de 2,4% foi reduzida para 2,0%. O fundo avalia que o desequilíbrio das contas do governo, que continuam deficitárias, é uma das barreiras que impede uma taxa de crescimento mais expressiva da economia.

Na agenda... Não existem indicadores relevantes a serem divulgados no dia de hoje.
Fonte: Guide Investimentos

■ Commodities 

Minério de ferro: A sessão desta quarta-feira foi marcada, mais uma vez, por desvalorização para os contratos futuros do minério de ferro, que são negociados na bolsa de mercadorias da cidade chinesa da Dalian. O ativo com o maior volume de negócios, com data de vencimento em janeiro de 2020, cedeu 3,22%, fechando a 617,00 iuanes por tonelada.
Petróleo: Os Futuros do Petróleo subiram durante a sessão asiática. Na bolsa mercantil de Nova York, os contratos futuros do petróleo, com vencimento em Outubro, foram negociados na entrega a US$ 52,96 por barril no momento da escrita, avançando 0,28%.
Ouro: Os contratos futuros do Ouro subiram durante a sessão asiática. Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, os contratos de referência do Ouro, com vencimento em dezembro, encerraram a jornada a US$ 1.487,15 por onça troy, avançando 0,25%.