August 05, 2019

Mercados Globais


Mercados Globais

Mercados... Índices asiáticos começaram a semana com fortes baixas. O Hang Seng (-2,9%), de Hong Kong, o índice composto de Shanghai (-1,6%) e o Nikkei (-1,7%) caíram de forma acentuada na sessão. Na Europa, o mercado se movimenta com o mesmo viés baixista. As bolsas de Frankfurt e de Londres recuam 1,2% e 1,7%, respectivamente. Em NY, futuros operam no vermelho, sinalizando uma abertura fraca também para ativos de risco americanos, e o dólar (DXY) perde força contra seus principais pares. 

7 yuan por dólar... O movimento de aversão ao risco global segue derrubando bolsas após Donald Trump ameaçar taxar a totalidade dos produtos chineses que entram nos EUA. O anúncio do presidente americano parece ter pego autoridades chinesas de surpresa, que já mostraram seu descontentamento com a atitude. O ponto de fricção mais recente tem sido a compra de produtos agrícolas americanos por chineses, que Trump afirma "não ser suficiente" e considera uma quebra de promessa feita por Xi Jingping durante seu encontro no G20.

Tal promessa nunca chegou a ser anunciada ao público e, ao que tudo indica, há interpretações distintas de cada uma das partes. Durante o fim de semana, o estado chinês já retrucou as novas tarifas, pedindo que empresas chinesas cessassem com a compra de bens agrícolas estadunidenses que já estavam em curso e deixando o yuan se desvalorizar para menos de 7 por dólar na 2ªF - menor patamar desde 2008. Com tudo isso, o mercado deverá seguir acompanhando novos desenvolvimentos nesta frente, na esperança de que alguma solução seja alcançada antes que as novas tarifas passem avigorar. Por ora, as chances parecem remotas.

Guerra em 2 frentes... Ao mesmo tempo em que a situação comercial com os EUA se agrava, os protestos em Hong Kong tomaram novas proporções, e são mais uma dor de cabeça que a classe política da China terá de enfrentar. No fim de semana foram realizadas manifestações em 7 localizações distintas ao redor do hub financeiro asiático, que resultaram em embates violentos com a polícia, regados à balas de borracha e gás lacrimogêneo.

No total, 82 manifestantes foram presos nos últimos 2 dias. Hoje, o Hang Seng encerrou com queda de 2,9%, configurando o 9º dia de baixas consecutivo, reflexo da situação que escala tensões entre população e governo - relação que vem sendo desgastada na China e que preocupa como mais um risco para o crescimento do país. 

Na agenda... Os principais destaques da agenda da semana serão a ata do Copom (3ªF), vendas no varejo em junho (4ªF) e o IPCA de julho (5ªF).

■ Panorama local

Segundo turno da Previdência... Com o fim do recesso parlamentar- que ocorreu oficialmente na quinta-feira passada, mas na pratica ocorre hoje (05) - a Câmara dos Deputados deve retomar a questão da reforma da Previdência. Hoje, as lideranças da casa legislativa e do governo devem discutir os preparativos necessários para dar início à segunda rodada de votação amanhã (06). A expectativa é que esta etapa final na Câmara não se estenda além da noite de quinta-feira (08). Caso seja aprovado, o projeto segue para sua apreciação no Senado. 

Novos trechos não são permitidos... Nesta segunda rodada, a introdução de novos trechos ao projeto não é permitida. Mesmo assim, o governo ainda terá que defender a integridade da atual proposta, logo que partes do texto podem ser extraídas através de destaques.

Para evitar essas desidratações, o governo terá que derrubar cada destaque apresentado com ao menos 308 votos contrários. A apresentação destes destaques deve ser feita através das bancadas partidárias. Entre os partidos contrários à reforma, O PT tem o maior número de deputados. Por esta razão, os petistas devem apresentar o maior número de destaques que ameaçam a economia do governo.

379 votos favoráveis... O governo teve sua maior vitória desde que tomou o poder na primeira rodada de votação da PEC 06/2019. A goleada de 379 favoráveis a 131 contrários foi uma grande surpresa e demonstrou que, apesar das constantes "crises" vividas pelo governo, o Legislativo abraçou a pauta reformista promovida pela equipe econômica do Executivo. 

Guedes Maia e Alcolumbre... O ministro da Economia, Paulo Guedes, deve almoçar com os presidentes do Legislativo, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP). Será o primeiro encontro cara a cara entre o ministro e o presidente da Câmara (Maia) após trocarem alfinetadas durante o processo de aprovação da reforma da Previdência no primeiro semestre. A expectativa é que os dois se entendam já que, apesar de ambos terem sangue quente, também existe respeito mútuo entre o ministro e o deputado. Os três poderosos devem alinhar estratégias para a segunda rodada da Previdência, a entrada subsequente da mesma no Senado e discutir a reforma tributária. 

Saques do FGTS... 0 calendário de saques do FGTS será divulgado hoje pela Caixa. Segundo o ministro Paulo Guedes, a liberação dos recursos do fundo devem injetar R$30bilhoes na economia. Trabalhadores poderão sacar R$500 de cada conta, ativa e inativa. Em 2020, a disponibilidade dos saques será determinada pelo saque-aniversario, o cronograma para os trabalhadores nascidos no primeiro semestre do ano foi divulgado semana passada.

Na agenda... Saem hoje as leituras do PMI/Markit composto de julho dos EUA (10h45) e da zona do euro (5h), o índice de atividade americano do setor de serviços do ISM (11h) e o emprego do Conference Board.

Fonte: Guide Investimentos

■ Commodities 

Minério de ferro: A jornada desta segunda-feira na bolsa chinesa de Dalian foi marcada pela forte desvalorização dos contratos futuros do minério de ferro. O contrato com o maior volume de negócios, com vencimento no mês de janeiro do próximo calendário, acumulou perdas de 6,0% a 689,50 iuanes por tonelada. 
Petróleo: Os Futuros do Petróleo caíram durante a sessão asiática. Na bolsa mercantil de Nova York, os contratos futuros do petróleo, com vencimento em Setembro, foram negociados na entrega a US$ 61,11 por barril no momento da escrita, recuando 1,26%.
Ouro: Os contratos futuros do Ouro subiram durante a sessão asiática. Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, os contratos de referência do Ouro, com vencimento em Agosto, encerraram a jornada a US$ 1.471,15 por onça troy, avançando 0,94%.