August 29, 2019

Estrutura economica financeira


Conceituação

Embora evitando, categoricamente, o desenvolvimento algorítmico que elucida, de forma rigorosa, a formulação do modelo, torna-se imperioso estabelecerem-se algumas definições em forma quantitativa, pois a falta das mesmas tornará extremamente difícil a solução de casos práticos.
É notória a insuficiência dos procedimentos tradicionais de análise, ao estabelecerem relações funcionais entre as três variáveis básicas: renda, despesa e investimento. 

Embora utilizem relações definidas como "razão de operação", "taxa de retorno" do investimento, é flagrante, na maioria esmagadora dos casos, o desinteresse em abordar como um sistema, não só aquelas relações como outras suscetíveis de traduzir a estrutura econômico-financeira das empresas prestadoras de serviços.

Indubitavelmente teria toda razão em protestar contra esse deslize técnico bem primário.
Examinando-se como se estruturam as relações entre aquelas variáveis, entende-se a origem de cincadas daquela natureza.

Representando-se por:
D = Despesa de operação
R = Renda operacional
I = Investimento remunerável
L = R - D = Resultado operacional (lucro)
podem ser estabelecidas as seguintes relações:
Para simplificar a simbolização, podem ser definidos os seguintes indicadores:
 = a = Taxa de retorno, relação entre resultado operacional e investimento remunerável.
 = r = Taxa renda/investimento, relação entre renda operacional e o investimento remunerável; exprime cruzeiros de renda gerada por cada cruzeiro investido.
 = β = Razão de operação, relação entre despesa e renda de operação.
Utilizando-se a simbolização simplificada, ter-se-á:
Esta relação é fundamental, mas não a única do modelo desenvolvido.
Considerando (a) dependente de (β) observa-se que a relação a = f (β) corresponde a uma reta com coeficiente angular (-r) cuja representação é a seguinte:


 Comportamento de β

A representação gráfica ajuda muita a compreensão do comportamento das variáveis, principalmente para quem não tem o hábito de se deter no exame das fórmulas matemáticas.
Conforme o gráfico, observa-se imediatamente que:
a) para valores positivos de (a), (β) varia de zero (0) até um (1);
b) o valor assumido por (r) é sempre maior que (a). É oportuno relembrar que este valor é limitado pelo poder concedente;
c) a um mesmo valor da razão de operação (β) podem corresponder infinitos valores da taxa de retorno (a).
Essa observação é freqüentemente relegada, no entanto ela envolve aspectos relevantes da gestão financeira no âmbito das empresas prestadoras de serviço. Um exemplo numérico esclarecerá melhor o problema.
Admita-se que determinada empresa apresente os seguintes dados financeiros de seu exercício operacional:
Renda de operaçãoCr$
100
mil
Despesa de operaçãoCr$
80
mil
Investimento remunerávelCr$
400
mil
Com os dados citados obtêm-se:
Essa empresa poderá elevar a taxa de retorno de seu investimento, programando um acréscimo de 10% em sua renda e em suas despesas operacionais, sem alterar sua razão de operação.
Esse resultado é demonstrado pelos cálculos seguintes:
Então: a1 = 0,275 - 0,275 (0,80) = 0,055, ou seja, aumentou também de 10% sua taxa de retorno.
Em termos simbólicos, tem-se que: se a renda operacional é acrescida de (p%), mantendo-se a razão de operação, embora com aumento de despesa, a taxa de retorno (a) converte-se em:
donde
Ocorre que o mesmo resultado poderia ser obtido reduzindo-se a despesa de apenas 2,5%, sem aumentar a contribuição da renda, o que significa aumento de tarifas.
Com efeito, tem-se:
Generalizando em símbolos, tem-se:
seja (s) a percentagem de redução de (β) razão de operação; então
donde
É interessante observar a relação entre os percentuais de: a) acréscimo de renda (elevação de tarifas) e b) redução de despesas, para a obtenção do mesmo resultado na melhoria da taxa de retorno.
No exemplo em questão, essa relação corresponde a:
Nota-se que a percentagem de redução de despesa é quatro vezes menor que o percentual de elevação de renda. Essa relação ordinal sempre ocorre para valores de (β) maiores que (0,50), pois demonstra-se que:
com
Na prática, geralmente (1 - β) < β, pois é dificílimo encontrar-se β = 0,50 na grande maioria dos casos, e portanto(s < p).
Observações desta natureza corroboram o argumento de que a diretriz mais acertada, para se obterem progressos na elevação da taxa de retorno, consiste no empenho decidido de se aproveitar toda oportunidade de reduzir os encargos da despesa operacional.