July 22, 2019

YBBRIO NEWS


Mercados Globais

No exterior, a sessão tem início de forma mista para ativos de risco, com investidores ponderando resultados corporativos nos EUA – que, em geral, tem apontado para uma leve queda nos lucros – e atentos aos desenvolvimentos no Golfo Persa. 
Os mercados asiáticos iniciam a semana em queda. As bolsas de Tóquio e de Shanghai recuaram 2,0% e 0,8%, respectivamente. Na Europa, os principais índices de mercado operam sem tendência clara.
O DAX (Frankfurt) e o FTSE londrino, por exemplo, registraram pouca variação desde o início da sessão. Em NY, futuros operam no verde, esboçando uma abertura mais positiva para as bolsas de Wall St., e o dólar (DXY) se mantém estável. Na frente das commodities, ativos se movimentam majoritariamente em terreno positivo.
Tensões no Golfo Persa se mantêm em alta e o petróleo segue acumulando ganhos após a divulgação da notícia de que o Irã apreendeu um navio petroleiro que transitava pelo Estreito de Ormuz na última 6ªF. A commodity inicia a semana com alta de mais de 2,0%, com investidores ponderando as consequências que uma elevação do conflito pode ter sobre o comércio global de petróleo – cerca de 1/3 do petróleo transportado pelo mar passa pela região. 
Em semana de agenda cheia, com a temporada de resultados a todo vapor nos EUA, indicadores de atividade devem retomar o foco de investidores. Nos EUA saem o PIB/2T19 (6ªF), o PCE trimestral (6ªF), e a leitura preliminar de julho do PMI/Markit (4ªF); dados importantes para consolidar a aposta em queda menor do juro uma semana antes da próxima reunião do FOMC.
Na Europa, o mercado espera alguma sinalização do BCE, na reunião de política monetária da 5ªF, se Mario Draghi retomará as compras de ativos ou se pondera cortar a taxa de depósito já em setembro para estimular o ritmo de crescimento do bloco.

■ Panorama local

Por aqui, com o mercado digerindo as mais novas polêmicas do presidente, o foco se volta para discussões em torno do que será o programa de saque do FGTS, que deve ser anunciado na 4ªF.
 Após quase uma semana de atraso, deve ser anunciada na 4ªF a liberação de parcela de contas ativas e inativas do FGTS. A equipe econômica prevê injeção de R$ 30 bilhões na economia com o FGTS e mais R$ 3 bilhões com os saques do PIS/Pasep. 
Caminhoneiros discutiram, durante o domingo (21), a possibilidade de realizar uma nova greve esta segunda-feira. Alguns motoristas defendem bloqueios em resposta à nova tabela de frete, divulgada na quinta-feira (18) passada. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, deve se encontrar com lideranças da categoria durante a semana para evitar uma nova paralização. 
Bolsonaro comentou sobre a insatisfação dos caminhoneiros na sexta-feira (19). O presidente não acredita que os motoristas realizarão novos protestos por entenderem o impacto negativo que tal ação teria sobre a economia. 
Aqui semana será marcada pelo início da temporada de resultados corporativos. No pano de fundo, hoje sai o relatório bimestral de Receitas e Despesas (15h), em que deve haver novo corte, de “uma merreca” de R$ 2,5 bilhões, segundo Bolsonaro. O Orçamento já está sob forte bloqueio de R$ 30 bilhões, para o governo cumprir a meta fiscal do ano. Do lado da inflação, sai o IPCA-15 de junho e as prévias do IPC-S (3ªF) e do IPC-Fipe (5ªF). Ainda, o Caged de junho é esperado para os próximos dias (sem data confirmada).
Fonte: Guide Investimentos

■ Commodities 

  • A sessão desta segunda-feira na bolsa de mercadorias da cidade chinesa de Dalian foi marcada pela importante desvalorização dos contratos futuros do minério de ferro. O ativo teve perdas de 1,61% a 885,00 iuanes para cada tonelada do produto. 
  • Os preços do petróleo subiram, durante o horário comercial asiático, com o contrato de futuros de referência do petróleo Brent reportando avanço de 1,1%, para US$ 56,22 por barril.