July 31, 2019

Giro Pelo Mercado

Mercados Globais

Resultado de imagem para mercado de acoesMercados... Mercados asiáticos encerram em queda, reflexo da divulgação de novos dados de atividade fracos na região. As bolsas de Tóquio (-0,9%), Hong Kong (-1,3%) e Shanghai (0,7%) acumularam quedas na sessão. Na Europa, índices de mercado se movimentam na direção oposta, e o índice europeu STOXX 600 avança 0,1% até o momento. Em NY, futuros operam no verde, e o dólar (DXY) opera próximo à estabilidade.

Fraqueza asiática... Uma nova leva de dados econômicos na Ásia voltou a reforçar a manutenção do cenário de preocupação em relação à desaceleração da atividade na região. Na China, os dados do PMI de julho revelaram uma melhora apenas modesta para o setor manufatureiro, de 49,4 para 49,7 - lembrando que uma leitura abaixo de 50 ainda indica contração do setor -, e uma piora para o setor de serviços, que caiu de 54,2 em junho para 53,7 na última leitura. No Japão, mais uma queda do indicador de confiança do consumidor também apontou na direção contrária de uma possível estabilização.

Dia de decisão... Após o encerramento de mais uma reunião de política monetária do FOMC, oficiais do Fed anunciam a decisão sobre taxa de juros americana hoje, às 15h. O mercado já precifica como certo um corte de 25 pontos base, mas deve ficar atento à fala do presidente do BC americano, Jerome Powell, na coletiva de imprensa que acontece em seguida ao anúncio, pois é onde devem residir novas pistas sobre qual serão os próximos passos para a política monetária do país.

Outros pontos que devem ser acompanhados são os motivos do corte, uma vez que, desde junho, dados econômicos têm apresentado certa robustez, além da aderência dos membros votantes à decisão, podendo haver dissidentes no tema - isto ficará mais claro após a divulgação da ata da reunião, no dia 21/8. 

Republicanos divididos... Apesar do acordo sobre o aumento no teto da divida firmado entre o presidente Donald Trump e os Democratas, partido de oposição no Congresso Americano, ainda existem membros do partido do presidente, que pretendem votar contra a expansão orçamentaria. A proposta será votada hoje no Senado estadunidense.

Dissidentes... O presidente e líder do governo no Senado, Mitch McConnell, passaram o dia convencendo os dissidentes do seu partido a apoiarem a proposta. Caso o teto do gasto não seja aprovado, o governo americano pode sofrer desligamento no fim de setembro. O shutdown resultaria em uma serie de cortes automáticos ao orçamento federal que congelam a atuação do governo.

Na agenda... A divulgação do PIB europeu do 2T19 também é destaque nesta 4ªF. O dado ficou em linha com as expectativas do mercado, com avanços modestos de 0,2% no trimestre e de 1,1% na comparação interanual.

■ Panorama local

Copom... O Copom divulga a sua decisão para a taxa Selic hoje, às 18h, quando o anúncio de mais um corte para mais uma mínima histórica é esperado. Há grande discussão, no entanto, sobre a magnitude do corte a ser promovido. Enquanto os mais arrojados defendem cortes mais agressivos para estimular a economia, há que acredita que o BC deve adotar a postura mais "prudente", e ir mais devagar para não ser obrigado a voltar atrás depois.
Existem argumentos relevantes para ambos os casos, e, apesar do mercado tender para um corte mais elevado (50 bps), acreditamos que o Copom tenha uma postura mais conservadora nesta reunião (25 bps), pois isso dará ao Bacen mais tempo para ponderar a situação e digerir mais uma leva de indicadores antes da adoção de medidas mais bruscas. 

Correio entra em greve... Os funcionários do correio entraram em greve, hoje (31) a noite, em busca de salários maiores e outras regalias. Apesar da data marcada para a paralisação, as lideranças trabalhistas que representam a categoria ainda estão dispostas a negociar. Os correios estão entre as estatais na mira no plano de privatizações, que deve tomar maior proporção após a aprovação da reforma da Previdência.

Acordo comercial com EUA... O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, revelou, ontem (30), que pretende firmar acordo de livre comércio com o Brasil. O presidente norte-americano destacou o relacionamento amigável entre ele o presidente Jair Bolsonaro, que deve facilitar as negociações entre as duas maiores economias das Américas. Em 2018, O comércio entre os dois países excedeu US$ 100 bilhões. 

Trump do Brasil... "O Brasil é um grande parceiro comercial. Eles cobram tarifas altas, fora isso, amamos o relacionamento. O meu relacionamento com o Brasil é ótimo. O meu relacionamento com o seu presidente é fantástico. Eles o chamam de Trump do Brasil, eu gosto disso" disse o presidente estadunidense. 

Investimentos... O secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo, revelou que o Brasil tem plano ambicioso para facilitar o comércio e aumentar os investimentos, principalmente na área de infraestrutura, entre o Brasil e o Estados Unidos.

Mercosul e União Europeia... Troyjo também ressaltou que qualquer acordo comercial firmado entre o Brasil e o Estados Unidos necessariamente envolverá os parceiros comercias do Mercosul (Argentina Uruguai e Paraguai). Além disso, o secretario avisou que o tratado comercial recém firmado com União Europeia deve evitar empecilhos que prejudiquem as negociações com os norte-americanos.

Eduardo em Washington... O presidente americano também disse estar muito feliz com a nomeação do filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para a embaixada de Washington. Trump elogiou o "jovem brilhante" e discordou das acusações de nepotismo.

Na agenda... O destaque da agenda doméstica é a divulgação da taxa de desemprego do 2TRI (9h), medida pela Pnad contínua (IBGE), que deve seguir caindo, mesmo que ainda se mantendo em nível elevado (12%, segundo pesquisa Bloomberg). No cenário corporativo Vale, Duratex e BR Distribuidora divulgam resultados após o fechamento do pregão.

Fonte: Guide Investimentos

■ Commodities 

Minério de ferro: A sessão desta quarta-feira na bolsa de mercadorias de Dalian, na China, foi marcada por uma ligeira queda dos preços dos contratos futuros do minério de ferro. O ativo recuou 0,28%, para um total de 897,50 iuanes por tonelada.
Petróleo: Os Futuros do Petróleo subiram durante a sessão asiática. Na bolsa mercantil de Nova York, os contratos futuros do petróleo, com vencimento em Setembro, foram negociados na entrega a US$ 58,48 por barril no momento da escrita, avançando 0,74%.
Ouro: Os contratos futuros do Ouro caíram durante a sessão asiática. Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, os contratos de referência do Ouro, com vencimento em Agosto, encerraram a jornada a US$ 1.413,65 por onça troy, recuando 0,04%.