July 30, 2019

Giro pelo mercado nesta terça feira


Mercados Globais

No exterior, os mercados apresentam uma dinâmica menos favorável, reflexo da divulgação de mais uma leva de dados fracos para a economia Europeia e da persistência de incertezas na frente dos conflitos geopolíticos. 
Os mercados asiáticostêm sessão de recuperação, com as bolsas de Tóquio (0,4%), Hong Kong (0,1%) e Shanghai (0,4%) se valorizando no fechamento. Na contramão, bolsas europeias operam com viés negativo. O índice europeu STOXX 600 recua 1,0% até o momento. Em NY, futuros seguem a mesma tendência verificada na Europa, e o dólar (DXY) opera próximo à estabilidade. Em relação às commodities, ativos se movimentam majoritariamente em terreno positivo. 
O recém-apontado primeiro ministro do Reino Unido, Boris Johnson, intensificou o receio em torno da possibilidade de um Brexit sem acordo, levando a libra esterlina a registrar a maior sequência de perdas desde 2016. De acordo com Johnson, o Reino Unido pressionará a Comissão Europeia a negociar melhores termos para saída, mas ao mesmo tempo em que se prepara para uma eventual saída sem acordo no dia 31 de outubro.
Nos últimos 4 dias, o mercado tem ajustado suas expectativas nesta frente, e a divisa inglesa já acumula queda de 3%, se aproximando do patamar de US$1,20. Ainda nesta semana, o BoE decide sobre a taxa de juros, e caso passe um tom mais dovish – o mercado já precifica um corte de 25 bps até o fim do ano com probabilidade de 60% – também tem o potencial de gerar pressões adicionais sobre a moeda nacional.
Uma semana após Mario Draghi expor sua preocupação em torno da atividade europeia, mais uma leva de indicadores econômicos fracos voltaram a reforçar a fraqueza da economia do bloco.
Na França, o PIB do 2T19 registro um avanço em ritmo abaixo do esperado pelo mercado, de 0,2% QoQ, reflexo de uma piora no consumo, que ocorreu apesar dos cortes de impostos realizados pelo governo Macron. Em seguida, a última leitura do indicador da Comissão Europeia que mede o clima para negócios também decepcionou expectativas, ingressando em patamares negativos pela primeira vez desde 2013. 
Em um 3ªF repleta de indicadores econômicos relevantes, os destaques serão o PCE – medida de inflação preferida pelo Fed – de junho nos EUA (9h30), a leitura preliminar do CPI na Alemanha (9h) e os PMIs na China (à partir das 22h).

■ Panorama local

Por aqui, o mercado espera a volta da atividade no Congresso, ainda de olho nos resultados corporativos.
Segundo os economistas José Roberto Afonso e Kleber de Castro, a carga tributária brasileira atingiu um novo recorde em relação a sua proporção do Produto Interno Bruto (PIB). Os tributos pagos no brasil agora representam 35,07% do PIB, totalizando R$ 2,39 trilhões de reais ou R$ 11.494 por cada brasileiro. 
O número surpreendeu os economistas, que esperavam uma taxa de crescimento menor, devido os baixos níveis de ganho econômico que afligem a economia do país a vários anos. Apesar do aumento na arrecadação do estado brasileiro, o governo federal continua com problemas para arcar com seus deveres financeiros, fazendo cortes sucessivos ao orçamento para não gastar mais do que recebe. 
Após a votação da reforma da Previdência, a Câmara dos Deputados redirecionará o seu foco para a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), uma espécie de prévia do orçamento do governo federal. O projeto, enviado ao Congresso pelo Executivo, visa aumentar o salário mínimo de R$ 998 para R$ 1.040 em 2020, com base na inflação projetada pelo IPCA. 
Outro item da LDO que deve ser amplamente discutido é o orçamento do fundo eleitoral, que financia as campanhas eleitorais dos candidatos que buscam ingressar na vida pública. Em 2018, o montante destinado às campanhas era de 1,7 bilhões. A LDO pretende aumentar esse valor em mais de R$ 1 bilhão de reais, destinando R$ 2.8 bilhões às campanhas eleitorais. 
O destaque da agenda doméstica é a divulgação do IGP-M de julho, que deve desacelerar para 0,52% contra os 0,80% do mês anterior (Broadcast). No cenário corporativo Embraer divulga resultados antes da abertura do pregão. Após o fechamento, tem CSN, Lojas Renner, Smiles e TIM.
Fonte: Guide Investimentos

■ Commodities 

Minério de ferro: Nesta terça-feira na bolsa de mercadorias de Dalian, na China, o dia foi marcado por valorização nos contratos futuros do minério de ferro. O ativo somou 2,32% para um total de 906,00 iuanes por tonelada.
Petróleo: Os Futuros do Petróleo subiram durante a sessão asiática. Na bolsa mercantil de Nova York, os contratos futuros do petróleo, com vencimento em Setembro, foram negociados na entrega a US$ 57,21 por barril no momento da escrita, avançando 0,60%.
Ouro: Os contratos futuros do Ouro caíram durante a sessão asiática. Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, os contratos de referência do Ouro, com vencimento em Agosto, encerraram a jornada a US$ 1.424,55 por onça troy, recuando 0,29%.