July 26, 2019

Giro no mercado nesta sexta feira com Alexandre Yokoyama

No exterior, mercados apresentam uma dinâmica positiva, com as principais bolsas globais esboçando uma recuperação.
Os mercados asiáticos encerraram mistos, com as bolsas de Tóquio (-0,5%) e de Hong Kong (0,7%) recuando e o índice de Shanghai avançando. Na Zona do Euro, os principais índices de mercado apresentam uma dinâmica mais positiva, esboçando uma recuperação após o fraco desempenho registrado ontem. O DAX (Frankfurt) e o FTSE (Londres) avançam 0,4% e 0,5%, respectivamente. Em NY, futuros seguem a mesma tendência positiva verificada na Europa, e o dólar (DXY) opera em alta.
O presidente do BCE, Mario Draghi, voltou a reforçar a necessidade de estimular a economia europeia, dizendo que vê a situação do bloco se deteriorando de forma sucessiva durante a coletiva de imprensa pós-reunião de política monetária. Em relação a isso, Draghi também garantiu que para que haja uma reversão de cenário, é "inquestionável" que governos dos países membros deverão auxiliar o processo com medidas de estímulo fiscal. A sucessora de Draghi, Christine Lagarde, prevista para assumir a partir de outubro, também compartilha desta visão, tendo defendido mais de uma vez que na próxima recessão economias globais necessitaram de todo estímulo fiscal possível.
Com isso, fica a grande dúvida do mercado de se o BCE ainda teria "munição" para segurar a economia do bloco após um mandato que foi marcado por taxas de juros negativas e compra de títulos dentre outras medidas estimulatívas à economia.
O principal destaque na agenda internacional será a divulgação do PIB dos EUA no 2T19, que vem acompanhado do PCE trimestral e tem o potencial de aprofundar os receios de recessão global após Mario Draghi reforçar a fraqueza da economia europeia. O dado também chama a atenção por ter o potencial de ajustar expectativas em torno da próxima reunião do FOMC, que ocorre na semana que vem (30-31 de julho). No cenário corporativo, McDonald´s, Twitter e Renault soltam os seus números trimestrais antes de o mercado abrir.

■ Panorama local

Por aqui, sem grandes novidades no cenário doméstico, ativos de risco locais devem ter como principais direcionais o noticiário corporativo e a movimentação no exterior. 
Projetos financiados pelo FGTS... Várias obras de saneamento, habitação e saúde podem ser canceladas devido a insuficiência de recursos no FGTS. O fundo, gerido pela Caixa, investe em obras de infraestrutura para combater escassez em áreas estratégicas, como as supramencionadas. 

R$93,5 bilhões... O custo dos projetos já contratados excede o balanço do fundo trabalhista. A falta de recursos antecede a medida do governo que pretende liberar saques aos trabalhadores, mas o problema deve se acentuar com a nova liberação. Nos próximos três anos, o déficit entre o custo dos projetos contratados e o montante presente no fundo pode alcançar R$ 93,5 bilhões. As regras mais permissivas para os saques devem aumentar o rombo em R$ 42 bilhões em 2019 e 2020.


Brasília hackeada... A Policia Federal descobriu após examinar provas aprendidas juntas aos suspeitos detidos na Operação Spoofing, que a invasão digital que revelou conversas particulares do ministro Sergio Moro, vitimou ou tentou vitimar inúmeros membros do alto clero da classe política brasileira. Entre eles, o presidente da República, Jair Bolsonaro; os presidentes do legislativo, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP) e vários integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF). Os criminosos invadiram mais de 1 mil celulares. 



Bolsonaro tranquilo... Apesar de ter seu celular comprovadamente invadido pelos hackers, Bolsonaro se mostrou tranquilo quando questionado sobre o ataque cibernético. O presidente afirmou que os criminosos "perderam tempo", logo que o presidente não comunica informações estratégicas pelo telefone. Os hackers invadiam os telefones através de brecha que envolvia o acesso à caixa postal sem a necessidade de senha. 



Destino das provas... Sergio Moro tinha adiantado que o material aprendido pela Polícia Federal seria destruído. O ministro do STF, Marco Aurélio, contrariou Moro quando afirmou que cabe ao judiciário decidir isso, e que o material deve ser usado como prova para incriminar os suspeitos.



Na agenda... Às 14h30, o Tesouro divulga o resultado primário do Governo Central, que deve vir menos deficitária em junho (- R$ 12 bilhões - Broadcast) do que os -R$ 14,74 bilhões registrados em maio. No cenário corporativo, a Usiminas divulga resultado antes da abertura do pregão.

Fonte: Guide Investimentos