fevereiro 21, 2019

China considera corte de juros como último recurso

O banco central da China ainda não está pronto para cortar os juros básicos para estimular a economia em desaceleração, apesar da inflação mais fraca e do fortalecimento do iuan, que provocaram expectativas no mercado para tal movimento.

Mas o Banco do Povo da China provavelmente cortará os juros baseados no mercado e vai realizar novas reduções do compulsório dos bancos para estimular o crescimento do crédito e reduzir os custos de financiamento das empresas, de acordo com fontes envolvidas nas discussões internas.


Os parceiros comerciais da China e os principais bancos centrais estão cada vez mais preocupados com a rapidez com que a segunda maior economia do mundo está desacelerando e com quanto isso irá pesar no crescimento global.
O premiê Li Keqiang reiterou na quarta-feira que a China não irá recorrer a um fluxo grande de estímulos como os que foram adotados em contrações passadas. 


Mas após uma série de dados fracos, os investidores se perguntam se Pequim precisa acelerar ou intensificar medidas de apoio para reduzir o risco de uma desaceleração mais acentuada.

Analistas consultados pela Reuters projetam que a taxa de crescimento da China vai desacelerar para 6,3 por cento em 2019, mínima em 29 anos, e alguns acreditam que a atividade real já é muito mais fraca do que sugerem os dados do governo,fonte:Reuters 


Frase do dia:

"As quatro palavras mais caras são: dessa vez é diferente."