January 29, 2019

Vale. Os ratings da empresa também foram colocados em observação para um possível novo rebaixamento.

Por Alexandre Yokoyama,

A perda de R$ 71 bilhões em valor de mercado sofrida pela Vale nesta segunda-feira (28) é a maior da história do mercado de ações brasileiro, segundo dados da Economatica. A ação da empresa caiu 24% neste pregão, em reação do mercado à tragédia em Brumadinho (MG).

Até esta segunda, o maior recuo em valor de mercado em um único dia havia sido da Petrobras, que, em maio de 2018, perdeu mais de R$ 47 bilhões. Na ocasião, investidores da petroleira reagiam aos desdobramentos da greve dos caminhoneiros e seus reflexos sobre a política de preços da empresa.

Já o maior recuo em valor de mercado em um só dia que a Vale havia registrado antes do pregão desta segunda havia sido em 15 de outubro de 2008, quando a empresa teve perda de R$ 27,4 bilhões, ainda de acordo com a Economatica.

No pregão desta segunda, o mercado reagiu na primeira sessão após o rompimento da barragem da mineradora Vale no Córrego do Feijão.
A empresa anunciou nesta segunda que seu conselho de administração decidiu suspender o pagamento de dividendos e juros sobre o capital próprio (remuneração aos acionistas) e de remuneração variável (bônus).

Desde o incidente, 4 decisões judiciais já bloquearam R$ 11,8 bilhões em recursos da Vale, além de multas no total de R$ 350 milhões.
Diversos bancos e instituições financeiras estrangeiras já cortaram suas recomendações para os ativos da empresa, incluindo Jefferies, HSBC, BMO e Macquarie, entre outros, destaca o Valor Online.

Agências de risco também revisaram a nota da mineradora após o incidente. A S&P colocou a nota de crédito da empresa e de suas subsidiárias em observação para rebaixamento na noite de sexta-feira (25). Nesta segunda, a Fitch rebaixou as notas de crédito da Vale de BBB+ para BBB-. Os ratings da empresa também foram colocados em observação para um possível novo rebaixamento.