Desemprego cai e IGP-M avança....e lula continua sendo o fiel da balaça nessas eleições ... em resumo ...o que vamos fazer?

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 0,70%, em agosto, contra 0,51% em julho. Com este resultado, o índice acumula alta de 6,66% no ano e de 8,89% em 12 meses. Em agosto de 2017, o índice havia sido de 0,10% e acumulava queda de 1,71% em 12 meses. Os três componentes do IGP-M apresentaram as seguintes trajetórias na passagem de julho para agosto: IPA, de 0,50% para 1,00%, IPC, de 0,44% para 0,05%, e INCC, de 0,72% para 0,30%.fonte:FGV

Taxa de desemprego no Brasil caiu para 12,3% no trimestre encerrado em julho, na 4a. queda mensal consecutiva, mas ainda atinge 12,9 milhões de brasileiros, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Os dados mostram, entretanto, que a queda da taxa de desemprego foi puxada pelo grande número de brasileiros fora do mercado de trabalho, subocupados ou que simplementes desistiram de procurar emprego.
O número de desalentados (que desistiram de procurar emprego) voltou a bater recorde, atingindo 4,818 milhões de brasileiros no trimestre encerrado em julho. Em 1 ano, houve alta de 17,8%, ou um aumento de 728 mil no número de desalentados.
Segundo o IBGE, a taxa de subutilização da força de trabalho ficou em 24,5% no trimestre encerrado em julho, ante 24,6% no trimestre de abril a junho. Ou seja, ainda falta trabalho para 27,6 milhões no país.fonte:IBGE 

Ficaram para hoje os números da pesquisa do DataPoder360 e o levantamento feito neste mês trouxe um formato diferente em relação ao apurado ao final de julho, de modo a mostrar o potencial de voto em Fernando Haddad. A taxa de “voto com certeza” no ex-prefeito de São Paulo é de 8%, mas com potencial de até 34%, quando aparece como o candidato indicado pelo ex-presidente Lula.
Nesse cenário em que Haddad é indicado pelo líder petista, o porcentual dos eleitores dizendo que “votam com certeza” em Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, Marina Silva e Geraldo Alckmin oscila de 5% a 9%, colocando todos empatados tecnicamente em segundo lugar. Já quando Lula é testado ou aparece um candidato sem nome, mas apoiado por ele, a taxa de “voto com certeza” vai de 25% a 30%.
O destaque do levantamento feito pelo site Poder360 é de que o candidato do PSL segue sólido com seu teto de 20%, mostrando que o deputado tem o eleitorado mais restrito. Em contrapartida, o ex-presidente continua sendo o fiel da balança nessas eleições.

.