Petrobras despenca após novo acordo com governo

Agenda do investidor para esta quarta-feira
INCC-M: índice que mede a evolução dos custos de construções habitacionais nas principais capitais do Brasil. Sondagem da Construção: conjunto de informações usadas no monitoramento e antecipação de tendências econômicas do setor. Sondagem da Indústria (FGV): indicações sobre o estado geral da economia nacional e suas tendências. Durable Goods Orders: pedidos de bens duráveis que indicam o nível de atividade da indústria nos EUA. GDP (F): cálculo final do Produto Interno Bruto dos EUA no primeiro trimestre. Nota de Política Monetária (BACEN): dados sobre a evolução dos agregados monetários (papel moeda, depósitos, câmbio entre outros) e operações de crédito do sistema financeiro. EIA Petroleum Status Report: saldo semanal do estoque de barris de petróleo nos EUA. Fluxo Cambial (Banco Central): saldo semanal das entradas e saídas de capital estrangeiro no Brasil.
Petrobras despenca após novo acordo com governo
As ações da PETROBRAS (PETR4) despencaram quase 7% da máxima do dia ontem, fechando em queda de 3,6%, após a companhia revelar um novo acordo com o governo para explorar o óleo excedente das áreas da cessão onerosa. Através da cessão onerosa a PETROBRAS adquiriu os direitos para produzir até 5 bilhões de barris de óleo equivalentes em seis áreas do pré-sal da bacia de Santos. Para esta transação a Petrobras pagou R$ 75 bilhões em 2010. Agora para explorar o excedente a companhia terá que fazer o pagamento à União de um bônus de assinatura no valor de R$ 2 bilhões em 2014, e antecipar parte do excedente em óleo no valor de R$ 2 bilhões em 2015, R$ 3 bilhões em 2016, R$ 4 bilhões em 2017 e R$ 4 bilhões em 2018. Segundo a PETROBRAS, o acordo é vantajoso já que reduz a exposição ao risco nas atividades exploratórias, passando a ter acesso a volumes potenciais recuperáveis da ordem de 9,8 a 15,2 bilhões de barris equivalente de óleo.

.