Cigarro eletrônico: o novo vício

Ele expele vapor em vez de fumaça. Aparentemente inofensivo, pode fazer renascer o tabagismo entre os jovens. É o começo de uma nova dependência?

MARCELA BUSCATO
25/04/2014 21h14 - Atualizado em 25/04/2014 22h02
Kindle
Share
Capa home - edição 830 (Foto: divulgação)
>> Trecho da reportagem de capa de ÉPOCA desta semana:
Nas esquinas das grandes cidades, e até mesmo em lugares fechados, pode ser visto, de forma cada vez mais frequente, um novo grupo de fumantes. Eles são adeptos do cigarro eletrônico e querem ser chamados de “vapers”, referência ao vapor liberado pelo dispositivo. Em vez de queimar tabaco e soltar fumaça, o cigarro eletrônico vaporiza um líquido que contém nicotina, a substância viciante do fumo. Ela é combinada a essências que imitam sabores de frutas, café, chocolate e, claro, tabaco. Muitos dos que usam o cigarro eletrônico se consideram ex-fumantes. Na internet, contam há quantos dias estão “sem fumar”, soltando baforadas de vapor.
Alardeado como a versão segura do cigarro, o aparelho de fumar se populariza rapidamente. Embora cheire menos e não produza fumaça, a atmosfera em torno dele não é menos enevoada. Há muitas dúvidas sobre os efeitos do vapor aromatizado sobre a saúde. Também se discute intensamente seu potencial para causar dependência. Embora recente, o cigarro eletrônico, também chamado de e-cigarro, está no centro de um grande debate de saúde pública. Teme-se que signifique um novo vício – ou a reinvenção do tabagismo, que ainda mata 200 mil pessoas por ano no Brasil.
“Já temos uma legião de viciados em cigarro eletrônico no Brasil”, diz a cardiologista Jaqueline Issa, diretora do Programa de Tratamento do Tabagismo do Instituto do Coração, em São Paulo. “As pessoas acham que ele não faz mal à saúde e acreditam que vai ajudá-las a abandonar o cigarro tradicional. Só que ele pode ser ainda mais viciante.” Por liberar grandes quantidades de nicotina, oferecer sabores diferentes e não soltar fumaça, os cigarros eletrônicos se tornam uma combinação irresistível para muitos fumantes. O objetivo inicial – diminuir gradualmente o teor de nicotina do eletrônico até deixar a dependência – dissipa-se como vapor. Ao final, troca-se um vício por outro.

.