Situação da OGX já causou problema à imagem do país, diz Mantega

'Espero que eles consigam se ajeitar o mais rápido possível', afirmou.

Para ministro, grupo EBX, de Eike Batista, precisa 'estancar sangria'.

Gabriela GasparinDo G1, em São Paulo
126 comentários
Ministro da Fazenda, Guido Mantega, em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (30) (Foto: Gabriela Gasparin/G1)Ministro da Fazenda, Guido Mantega, em coletiva
de imprensa nesta segunda-feira (30)
(Foto: Gabriela Gasparin/G1)
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta segunda-feira (30) que a situação da petroleira OGX, do empresário brasileiroEike Batista, já causou problema para a imagem do país e para o mercado. Mantega disse esperar que as empresas do Grupo EBX se reequilibrem o mais rápido possível.
“Eu acho que a situação da OGX já causou um problema para a imagem do país e para a bolsa de valores [Bovespa], que teve uma deterioração. Não agora, porque ela está subindo, mas [a bolsa] teve uns 10% de queda por causa dessas empresas [do Grupo EBX].”
Mantega afirmou esperar que “essas empresas do grupo EBX se reequilibrem “o mais rapidamente possível”.
“Espero que eles consigam se ajeitar o mais rápido possível, estancar essa sangria, que isso continua atrapalhando o desempenho da economia brasileira e arranha nossa reputação na bolsa de valores, que é muito boa", afirmou.
O ministro disse que a bolsa de mercadorias e futuros brasileira é uma das melhores do mundo, uma das mais líquidas e das mais seguras do mundo. "Claro que você pode ter uma empresa que não tenha um desempenho suficiente, que deixa a desejar, e nos atrapalha.”
O ministro voltou a afirmar que não cabe ao governo atuar para tentar estancar o sentimento negativo em relação ao Brasil causado pela OGX. "Eu não sei bem qual é a solução que está sendo buscada. É uma solução de mercado, não é o governo que deve fazer alguma coisa."
Bovespa
Há um mês, o presidente da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), Edemir Pinto, negou que o desempenho negativo das "empresas X", do empresário Eike Batista, teria “manchado” a imagem da instituição no exterior, mas admitiu ter ficado frustrado com os resultados.

.