Ação da Vale tem mais risco de alta do que baixa, diz banco


Santander recomenda eliminar as posições vendidas na mineradora 

Dario Zalis/EXAME.com
Terminal da Vale em Ponta Madeira, no Maranhão
A Vale pode cortar em 22% os investimentos para 2013
São Paulo – As ações da maior mineradora de minério de ferro do mundo têm sofrido nas últimas semanas com uma expressiva queda nos preços da commodity, mas a correção nos preços dos papéis da Vale (VALE3VALE5) e da matéria-prima do aço pode estar perto do fim, projetam os analistas do banco Santander, Felipe Reis e Alex Sciacio.

“A nosso ver, os preços do minério de ferro podem apresentar recuperação no curto prazo, o que poderia ser o principal catalisador para a retomada da ação. Vemos muito mais risco de alta do que potencial de baixa para os preços do minério de ferro no mercado à vista”, explicam. Reis e Sciacio recomendam “eliminar posições vendidas na Vale”.
O Santander tem uma recomendação de manutenção para as ações, com um preço-alvo de 44 reais. “Dessa forma, por ora vemos potencial de baixa limitado para a ação em relação aos níveis atuais”, ressaltam. Os papéis ganharam um alento na última sexta-feira quando a China, maior cliente da Vale, aprovou um programa de 150 bilhões de dólares para 60 projetos de infraestrutura.
Investimentos
Outro ponto que pode ser positivo para a companhia é a possível redução dos investimentos esperados para 2012 e 2013. Segundo um levantamento realizadopela Bloomberg News com seis analistas, a Vale pode cortar em 22% os investimentos para 2013 na comparação com o valor de 21,4 bilhões de dólares programados para 2012.
“Não prevemos o anúncio dessas revisões até outubro/novembro e esperamos que essa notícia seja bem recebida pelos investidores, pois a nosso ver ela implica que a Vale vai se concentrar apenas em projetos de alto retorno”, ressaltam os analistas do Santander.

.