Destaques desta segunda feira

A união de Fibria e Suzano será anunciada:Uma das fusões mais aguardadas dos últimos tempos deve ser anunciada hoje dia 12. Faltam detalhes e a batida de martelo do BNDES para que a união entre Fibria e Suzano, duas gigantes do setor de papel e celulose, se concretize. A consolidação de um grande player no setor é um assunto que sempre foi falado tanto pelos comandantes da Fibria como os da Suzano. A união foi acelerada depois que a Paper Excellence comprou a Eldorado Celulose, botando pressão nas duas empresas. Juntas, Fibria e Suzano terão uma sinergia calculada em R$ 10 bilhões. No ano passado, a Fibria produziu 7,25 milhões de toneladas de celulose e a Suzano anotou 3,6 milhões de toneladas. Em papel, apenas a Suzano atua com uma produção de 1,2 milhão de tonelada.(fonte:isto é dinheiro).

Pré Market: A semana começa com um rali nos mercados financeiros, ainda ecoando os dados de emprego nos Estados Unidos divulgados na sexta-feira passada, que restabeleceu o otimismo entre os investidores. A forte geração de vagas de trabalho no país combinada com a ausência de pressão inflacionária nos salários mantém o prospecto de somente três altas na taxa de juros norte-americana, o que renova o apetite por ativos de risco.
As principais bolsas europeias abriram em alta, seguindo o sinal positivo vindo da Ásia e também dos índices futuros das bolsas de Nova York. O dólar, por sua vez, perde terreno para as moedas rivais, mas as commodities são negociadas em baixa, ao passo que o juro projetado pelo título dos EUA de 10 anos está estável em 2,90%, antes do maior leilão de bônus desde 2014, programado para esta semana.
Com o alívio vindo do relatório oficial de emprego nos EUA (payroll), os investidores buscam, agora, motivos para renovar o ímpeto do mercado de alta (bull market). O revés, contudo, pode vir do cenário político, em meio à guerra comercial travada pelo presidente norte-americano, Donald Trump. No Japão, o primeiro-ministro, Shinzo Abe, sofre pressão por causa de um venda controversa de terreno feita pelo ministro das Finanças, Taro Aso.
Já no Brasil, as preocupações com a segurança pública continuam na pauta do Congresso, enquanto no Palácio do Planalto, o foco do presidente Michel Temer está em mais duas investigações contra ele. A ideia da Câmara e do Senado é de voltar a discutir propostas contra a violência, ao passo que o governo monta um arsenal para se defender das denúncias e demonstrar força política.

Comentários

.