"Giro pelo mercado"


Semana começa com grande expectativa em torno das taxas de juro. Copom anuncia nova Selic na quarta-feira, com expectativa predominante de novo corte de um ponto percentual, para 9,25 por cento. Talvez até mais importante do que a decisão em si, já amplamente esperada, sejam as sinalizações do que pode vir à frente.
Banco Central dos EUA também atualiza suas diretrizes de política monetária na quarta, com prognóstico de manutenção do juro básico. Há certa preocupação com eventuais sugestões sobre a diminuição do balanço do Fed e timing da subida de juro, provavelmente em dezembro.

Hoje, agenda local traz: IPC-S (+0,09 por cento); relatório Focus, com revisão para cima nas projeções de inflação depois de aumento de impostos sobre combustíveis, mas manutenção das estimativas para Selic; balança comercial e relatório da dívida pública. Safra de resultados trimestrais ganha fôlego nesta semana.

No exterior, dia é mercado por uma série de indicadores PMIs. Além disso, nos EUA temos vendas de casas usadas e resultados da Alphabet, controladora do Google. FMI soltou relatório de projeções para economia global, com prognóstico de crescimento de 3,5 por cento neste ano e 3,6 por cento em 2018.

Ibovespa Futuro abre em alta de 0,2 por cento, influenciado por relativa calma (sabe-se lá até quando) na esfera política e alta da maior parte das commodities, com destaque para o petróleo. Dólar e juros futuros estão perto do zero a zero.

.

.