Os melhores e piores investimentos de 2016

No ranking dos investimentos do ano, títulos públicos prefixados brilharam e bolsa também se saiu bem; já a poupança…
Os títulos públicos prefixados e atrelados à inflação apresentaram desempenho formidável em 2016. Quase todos renderam muito acima da taxa CDI. O Tesouro IPCA+ com vencimento em 2035 teve a maior rentabilidade no ranking dos investimentos do ano, com alta de 47,81%.
As coisas também foram bem na bolsa, tanto para ações quanto para fundos imobiliários. O Ibovespa, principal índice da bolsa, teve alta de 37,96%, enquanto o IFIX, índice dos fundos imobiliários, subiu 31,73%.
Em 2016, o Banco Central voltou a cortar a taxa básica de juros (Selic) na tentativa de animar a economia. Estagnada em 14,25% desde julho de 2015, a Selic foi reduzida para 14,00% em outubro, sendo cortada novamente para 13,75% em novembro.
A perspectiva de queda continua. Quando isso acontece, os títulos públicos prefixados e atrelados à inflação se valorizam, o que explica a forte alta desses papéis neste ano. Entenda como acontece a precificação dos títulos públicos.
O bom desempenho da bolsa deve-se mais a uma redução nas incertezas econômicas do que propriamente a boas perspectivas. Com o impeachment de Dilma Rousseff e as perspectivas de reformas e ajustes fiscais, a clareza quanto ao futuro aumentou.
Além disso, os cortes na Selic também beneficiam os investimentos produtivos, impactando positivamente nas ações e nos fundos imobiliários.
Na lanterna do ranking vem o dólar, que em 2016 caiu 15,33%. Com exceção da moeda americana, todas as aplicações conseguiram vencer a expectativa de inflação para o ano, de 6,40%.
Até mesmo a poupança rendeu mais que o IPCA esperado. Mas ficou em último lugar entre os investimentos com desempenho positivo.
Para quem queria se manter conservador, teria sido muito mais vantajoso investir em títulos pós-fixados, atrelados à Selic (como o Tesouro Selic) ou ao CDI.

Veja o ranking dos investimentos completo, com os melhores e os piores de 2016

Investimento
Rendimento (%)
Tesouro IPCA+ 2035
47,81
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2025
42,94
Tesouro Prefixado 2021
38,69
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2023
38,19
Ibovespa
37,96
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2045
34,50
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050
34,20
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2021
32,79
IFIX
31,73
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035
31,42
Tesouro IPCA+ 2024
25,74
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2024
22,44
Tesouro Prefixado 2018
21,30
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2020
17,88
Tesouro IPCA+ 2019
17,22
CDI*
14,07
Tesouro Selic 2017
14,01
Tesouro Selic 2021
13,59
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2017
13,53
Caderneta de poupança
7,57
IPCA**
6,40
Dólar PTAX
-15,33

YBBRIO ALEXANDRE YOKOYAMA FINANCIAL ASSET

YBBRIO ALEXANDRE YOKOYAMA FINANCIAL ASSET
SÃO PAULO RIO DE JANEIRO LONDRES TOKYO

.