Resumo da semana

Brasil 

O destaque da semana será o fim do recesso parlamentar. Segundo O Globo, Dilma decidiu não levar a mensagem presidencial ao Congresso na terça-feira, o que, segundo alguns integrantes do governo, pode gerar uma sinalização ruim dada a perspectiva de um ano turbulento. O governo pretende iniciar as atividades legislativas aprovando medidas impopulares, como a recriação da CPMF. A oposição recomendou à presidente um “plano B”, pois, segundo eles, a volta do imposto não será aprovada.

Destacamos também do IPCA de janeiro, que sai na sexta-feira, às 9h. Esperamos em 1,10% em base mensal, puxado novamente pelos preços de alimentação e de transporte. Em base anual, a inflação deve desacelerar para 10,52%, vinda de 10,67%, principalmente devido a um menor ajuste dos preços administrados. Essa será a primeira queda da inflação anual desde dezembro de 2014.

Na terça-feira, às 9h, veremos a produção industrial de dezembro, que esperamos vir em -10% yoy e +0,5% mom. A atividade extrativa deve ainda refletir o desastre natural em Mariana.

Na segunda-feira, às 15h, veremos o resultado da balança comercial de janeiro. Esperamos um superávit de US$ 0,4 bilhão, ante déficit de US$ 3,2 bilhões em janeiro de 2015. Ao longo de 12 meses, o superávit comercial será ampliado para US$ 23,3 bilhões (de US$ 19,7 bilhões no ano passado), atingindo o maior nível desde agosto de 2012. Mais uma vez, a melhora deve ser conduzida por um declínio acentuado das importações (-32% em relação ao ano anterior). De acordo com o nosso ajuste sazonal, isto representa um superávit comercial de US$ 3,7 bilhões (de US$ 5,0 bilhões em dezembro), levando a média móvel anualizada de 3 meses para US$ 43,3 bilhões, que é ligeiramente abaixo da nossa projeção para 2016 (US$ 46,3 bilhões).


Internacional 

No domingo, às 23h, será anunciado na o PMI oficial de manufaturas na China para o mês de janeiro. O consenso de mercado espera o índice em 49,6, levemente abaixo dos 49,7 em dezembro. A economia chinesa vem demonstrando sinais de desaquecimento, puxado sobretudo pelo setor industrial.

Outro destaque internacional será o relatório de emprego dos EUA na sexta-feira, às 11h30. O payroll de janeiro está previsto em 190 mil, abaixo dos 292 mil em dezembro, enquanto a taxa de desemprego deverá manter-se estável em 5%.

.

.