Ladrões de Riqueza

A incrível habilidade dos bancos em tomar o seu dinheiro

Por Mark Ford

Há muito anos, a gerente de um dos bancos no qual eu tinha conta persuadiu-me a adquirir uma linha de crédito de meio milhão de dólares. “Só para o caso de você precisar de dinheiro para fluxo de caixa”, ela disse. Eu perguntei qual seria o custo. Não me lembro exatamente, mas era um valor razoável - taxa LIBOR mais 3%, talvez. 

[LIBOR é a sigla para London Interbank Offered Rate, que é um benchmark (índice de referência) que alguns dos principais bancos globais, principalmente europeus, cobram uns dos outros por empréstimos de curto prazo. É uma taxa muito utilizada como referência em transações internacionais.]

Parecia óbvio. Se eu precisasse do dinheiro, ele estaria lá. Se não precisasse, não haveria prejuízo. 

Mas eu estava errado. Três meses depois, vi algo em meu extrato – algo que eu deveria ter notado antes: uma taxa que chegava a quase U$ 1.500 por mês. Quando questionei aquela quantia, descobri que dizia respeito à linha de crédito que eu nunca havia usado. Fiquei em choque.

Telefonei para minha representante o banco, aquilo só poderia ser um equívoco. Não era, ela me disse. Na verdade, era “política padrão”.

“Você está me dizendo que estou pagando por uma transação comercial que não me traz nenhum benefício?”

“Estava no contrato que você assinou”, ela disse.

“Mas você não falou nada sobre isso quando me vendeu a linha de crédito!”

“Está no contrato”, ela respondeu.

Ela estava certa, é claro. Estava lá, nas letras pequenas. Qualquer um com um pouco de conhecimento em juridiquês teria percebido.

Eu me defendi. Deixei claro que era um cliente importante, disse que me sentia enganado. Antes charmosa e quase alegre, a gerente agora tinha uma atitude dura.

Eu estava bravo, mas também envergonhado, porque fiz um acordo com meu banco pensando que ele colocaria meus interesses antes dos seus. 

Eu consigo entender o egoísmo mesquinho. O que eu não consigo entender é por que,  após todos os meus protestos, o banco não corrigiu o problema. Eu era um cliente com um saldo médio de vários milhões de dólares em contas que me davam baixíssimos retornos. Eles estavam usando todo aquele dinheiro para ganhar ainda mais dinheiro, mas isso não foi suficiente. Eles queriam mais e mais. 

Eles pagaram por me tratar daquela maneira. Assim que pude, transferi minhas contas para outro banco que presta um serviço de mais qualidade. Embora eu me certifique disso sendo cético, fazendo muitas perguntas e lendo a droga das letrinhas pequenas. 

Isso tudo aconteceu em um grande banco nacional. Se eles enganaram a mim, um cliente muito lucrativo, o que faziam com clientes comuns? 


.

.