Blackwood, Caoa e Plural negociam compra do Banco BVA


As negociações são preliminares e podem não resultar em um negócio, segundo a fonte, que pediu para não ser identificada

Cristiane Lucchesi, da 
Divulgação
Banco BVA
O BVA precisa de uma reestruturação de sua dívida de cerca de R$ 5 bilhões para tornar a aquisição viável
São Paulo - A Blackwood, empresa que investe em crédito inadimplente, é uma das companhias que está negociando para adquirir o Banco BVA SA, que está sob intervenção do Banco Central desde outubro, segundo uma pessoa com conhecimento direto do assunto.
As negociações são preliminares e podem não resultar em um negócio, segundo a pessoa, que pediu para não ser identificada porque as discussões são privadas.
A Blackwood, com sede em São Paulo, foi fundada por ex-executivos do Credit Suisse Group Inc. como Bruno Szwarc.
O Brasil Plural SA Banco Múltiplo também está conversando para comprar o BVA, disse a pessoa. A Hyundai Caoa do Brasil Ltda. é outra companhia que considera a aquisição, de acordo com a assessoria de imprensa da companhia.
O BC disse em nota que interveio no BVA depois de encontrar “comprometimento da sua situação econômico-financeira e do descumprimento de normas que disciplinam a atividade da instituição”.
O Fundo Garantidor de Créditos pagou R$ 1,2 bilhão aos investidores no BVA desde outubro. O FGC tenta agora recuperar seu dinheiro vendendo a instituição.
Ele contratou a BR Partners, fundada por ex-executivos do Goldman Sachs Group Inc., para assessorar a venda.
O BVA precisa de uma reestruturação de sua dívida de cerca de R$ 5 bilhões para tornar a aquisição viável, segundo disse a pessoa. O banco tem US$ 45 milhões em títulos da dívida externa.
Gestores do BVA
Eduardo Felix Bianchini, nomeado pelo Banco Central como gestor do BVA, não quis comentar sobre a aquisição em uma entrevista por telefone. A Plural, a BR Partners, o FGC e o Blackwood também não quiseram comentar.
O BVA, especializado em empréstimos para companhias de médio porte, foi o sétimo banco no Brasil a sofrer intervenção ou socorro desde 2010.
O banco representa 0,17 por cento dos ativos e 0,24 por cento dos depósitos no sistema financeiro brasileiro, segundo o Banco Central.

.