Planejar o empréstimo para reduzir os juros



Mulheres acima de 35 anos, com renda familiar superior a R$ 2.200, que estão no mesmo emprego há mais de cinco anos e moram em residência própria fazem parte do grupo de consumidores com menor risco de ficar inadimplente. Podem, portanto, negociar as menores taxas e as melhores condições de financiamento.
O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) encomendaram pesquisa para a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) para diferenciar o perfil dos consumidores que mantêm as contas em dia e dos que estão com dívidas em atraso há mais de 90 dias. Foram ouvidas 1.277 pessoas em todo o país.
A pesquisa buscou identificar características comuns entre os consumidores que conseguem pagar pontualmente as obrigações e os que estão inadimplentes. Constatou, por exemplo, que existem mais mulheres com as contas em dia do que homens. E que no grupo dos adimplentes, 55% estão no mesmo emprego há mais de cinco anos.
Mas nem sempre é possível generalizar. O fato de ser casado ou solteiro e ter ou não filhos, isoladamente, não tem relevância para determinar se o consumidor mantém ou não as contas em dia. 
Análises estatísticas sofisticadas sobre o perfil dos tomadores de crédito são cada vez mais importantes para a decisão de conceder empréstimos em larga escala. O objetivo das instituições que atuam na área é identificar relações entre as diversas características dos candidatos ao crédito para selecionar aqueles com menores chances de ficarem inadimplentes. Quanto mais eficiente o processo, mais rentável será a operação porque as perdas para a carteira serão menores.
Para o consumidor interessado em parcelar as compras, conhecer os mecanismos utilizados por bancos e financeiras para selecionar os candidatos a financiamentos, esse tipo de análise é fundamental para reduzir o custo com as taxas de juros e conseguir alongar o prazo de pagamento. Pesquisas como a do SPC e CNDL podem ser ferramentas úteis para o planejamento financeiro pessoal.

.

.