CEO da Apple altera equipe mas não acalma Wall Street


Empresa liderada por Tim Cook surpreendeu os investidores na segunda-feira ao anunciar as demissões de Scott Forstall e John Browett

Poornima Gupta, da 
Kevork Djansezian/Getty Images
Tim Cook acena durante apresentação da Apple
Tim Cook: a Apple ficou abaixo das expectativas dos analistas em seu terceiro trimestre fiscal, o segundo trimestre consecutivo de decepção
São Francisco - A nova equipe de gestão de Tim Cook, o presidente-executivo da Apple, formada por figuras em geral já conhecidas, não despertou grande entusiasmo em Wall Street, levando as ações da empresa à sua cotação mais baixa em três meses na quarta-feira.
A mais valiosa companhia mundial de tecnologia, que enfrentou questionamentos quanto à possível ausência de uma liderança visionária após a morte de seu co-fundador e presidente Steve Jobs, surpreendeu os investidores na segunda-feira ao anunciar as demissões de Scott Forstall, que comandava o desenvolvimento de seu software móvel, e John Browett, o responsável pela divisão de varejo --este último depois de apenas seis meses no cargo.
Cook transferiu a maior parte das responsabilidades de Forstall a Craig Federighi, o responsável pelo software do Macintosh, e algumas outras das funções que ele desempenhava a Eddy Cue, responsável pela área de Internet, e ao vice-presidente de design, Jony Ive.
Mas a perda de Forstall, veterano com 15 anos de casa e um dos confidentes de Jobs, e o ressurgimento dos rumores sobre conflitos internos, exacerbaram a incerteza sobre a capacidade de Cook e seus colegas para desenvolver a próxima revolução no setor de produtos eletrônicos.
As ações da Apple fecharam a quarta-feira em queda de 1,4 por cento, cotadas a 595,32 dólares. A companhia sofreu queda de 10 por cento em seu valor de mercado neste mês - sua maior queda mensal desde o final de 2008, e está em declínio desde bater seu recorde histórico com a cotação de 705 dólares em setembro.
Para os investidores, o tumulto no comando executivo de uma organização em geral renomada pelas surpresas positivas que propicia representa a mais recente razão para inquietação sobre o futuro de uma empresa cujo valor de mercado está hoje entre os maiores do mundo.
A Apple ficou abaixo das expectativas dos analistas em seu terceiro trimestre fiscal, o segundo trimestre consecutivo de decepção.
Seu software de mapeamento, lançado recentemente, causou frustração e foi ridicularizado devido a erros absurdos. Fontes informaram à Reuters que Forstall e Cook discordaram quanto à necessidade de pedir desculpas publicamente pelos embaraços que o serviço de mapas causou.

.

.