Produção da OGX recua 23,9% em julho



A queda na produção já era esperada, pois a companhia havia informado que interromperia a produção de um de seus dois poços no Complexo de Waimea


Equipe de interpretação exploratória da OGX
Equipe de exploração da OGX: a empresa chegou a prometer uma produção entre 40 mil e 50 mil barris diários ainda em 2012
Rio de Janeiro - A produção de petróleo da OGX teve queda de 23,9 por cento na produção entre junho e julho, para 7 mil barris por dia, informou a petroleira de Eike Batista nesta segunda-feira ao divulgar uma atualização sobre seus dados de produção.

A queda na produção já era esperada, pois a companhia havia informado que interromperia a produção de um de seus dois poços no Complexo de Waimea, na bacia de Campos, disse a companhia.
As ações da OGX fecharam em alta de 6,9 por cento, em um dia positivo para o mercado, com alta de 1,9 por cento do Ibovespa.
"O mercado já precificou notícias ruins da OGX e os papéis sobem em um momento positivo, com tudo subindo por conta de fluxo internacional", afirmou o analista Ricardo Correa, da Ativa Corretora.
No final de junho, a OGX divulgou que a vazão de óleo nos primeiros poços perfurados pela empresa em um campo era de 5 mil barris de óleo equivalente (boe) por dia, apenas um terço do que o mercado esperava.
"Acreditamos que o baixo nível de produção em relação às expectativas coloca em dúvida todas as premissas por trás de todo o programa de crescimento da OGX", escreveu a equipe de análise do Bank of America Merrill Lynch em relatório na ocasião.
No início dos testes, a produção teve diferentes níveis de vazão, de até 18 mil barris/dia, mas todas muito acima do nível de 5 mil barris por dia.
A empresa chegou a prometer uma produção entre 40 mil e 50 mil barris diários ainda em 2012, mas adiou essa meta para o segundo trimestre de 2013.

.

.