Cruzeiro do Sul precisa de R$ 800 milhões em capital



As negociações com potenciais compradores só começarão depois que o FGC divulgar os resultados da auditoria, em 14 de agosto, disse a pessoa familiar com o banco

Cristiane Lucchesi, da 
Ricardo Moraes/Reuters
Banco Cruzeiro do Sul
O Banco Central decretou a intervenção do Cruzeiro do Sul, com sede em São Paulo, em meio às suspeitas de fraude contábil
São Paulo - O Banco Cruzeiro do Sul SA, que está sob administração do Fundo Garantidor de Crédito desde 4 de junho, necessita injeção de capital de R$ 800 milhões de um possível comprador, segundo uma pessoa com conhecimento direto das finanças do banco.
Uma auditoria nos livros do banco mostra que ele vai precisar contabilizar perdas de cerca de R$ 2,5 bilhões, disse a pessoa, que pediu para não ser identificada pois os dados ainda não foram divulgados.
O Banco Central decretou a intervenção do Cruzeiro do Sul, com sede em São Paulo, em meio às suspeitas de fraude contábil. O FGC, que assumiu o controle do banco, pediu uma auditoria e anunciou que procuraria um comprador para o banco.
As negociações com potenciais compradores só começarão depois que o FGC divulgar os resultados da auditoria, em 14 de agosto, disse a pessoa. O fundo considera prover liquidez para o Cruzeiro após a aquisição e não pretende prover capital na hora da compra, disse a pessoa.
O Cruzeiro do Sul teve queda de 77 por cento desde que a intervenção do BC, com sua ação fechando ontem a R$ 1,77.
O FGC encontrou R$ 1,3 bilhão em ativos não-existentes listados no balanço do Cruzeiro do Sul, disse a pessoa. Também encontrou ativos superavaliados e falta de provisões para perda com créditos inadimplentes, disse a pessoa.
O FGC e o Cruzeiro do Sul não quiseram comentar.

PARCEIROS E COLABORADORES UTILIZAM:

.