Euro e a síndrome de Estocolmo



A síndrome de Estocolmo, em termos simples, é um estado psíquico em que uma pessoa, vítima de algum tipo de submissão tal como o sequestro, passa a se identificar e a aceitar os atos do seu opressor. Trata-se, aparentemente, de um processo inconsciente por parte do indivíduo cativo. A origem do termo vem de um fato real ocorrido em agosto de 1973 na cidade sueca de Estocolmo, no qual as vítimas de um assalto passaram a justificar os atos de seus captores, mesmo depois de sua libertação, após seis dias de confinamento.
Sabe-se há algum tempo que o comportamento psíquico do ser humano afeta suas decisões por meio de processos que não passam inicialmente pela análise racional. Vários pesquisadores buscam aplicar na área da ciência econômica tais percepções. No estudo das decisões de gasto dos indivíduos, por exemplo, há espaço para contribuições provenientes da psicologia, como já feito por reputados economistas, tais como Keynes. Expressões do tipo "espírito animal" e "comportamento de manada" procuram sintetizar fatores relevantes que não são facilmente incorporados a uma modelagem mais tradicional. Até mesmo a neurociência e alguns ramos mais aplicados da filosofia estudam os mecanismos de resposta do indivíduo a fatores externos e se tais mecanismos passariam ou não por um processo racional.
O possível ganho no longo prazo de fazer parte de uma comunidade que emite uma moeda de reserva internacional não parece ser suficiente face aos sacrifícios que a população dos países da comunidade estão tendo que passar.
Onde entra a zona do euro nessa história? Para início de conversa, a própria história dos eventos que desencadearam a unificação monetária europeia é relevante nessa abordagem. O euro existe como moeda escritural desde 1º de janeiro de 1999, e como moeda física desde 1º janeiro de 2002. Pode-se dizer que foi criada como uma estratégia que visava ao lançamento de uma moeda de reserva internacional, concorrendo com o dólar americano. Pressupõe-se, com isso, que o sucesso dessa estratégia deveria trazer benefícios no longo prazo que superariam as restrições associadas à renúncia de parte da soberania que os diferentes países participantes sofreriam.
Uma consequência da criação do euro foi o retorno dos efeitos de um sistema de câmbio semifixo existente na Europa até o ano de 1992. A necessidade de atrair capitais para financiar a reunificação alemã de 1990 fez com que o Bundesbank aumentasse significativamente suas taxas de juros, tornando insustentável a manutenção desse tipo de câmbio entre os países da região. O euro traria de volta não apenas um câmbio semifixo, mas um câmbio fixo de fato. Com a posterior redução da taxa de juros, os capitais voltaram a fluir para os países da periferia do euro, por meio não apenas de investimento direto, mas também de endividamento.
A estratégia parecia agradar a todos: aos alemães, que tinham feito um pacto trabalhista interno, segurando a transferência dos ganhos de competitividade para os salários, e com isso ganhando mercado para seus produtos industriais no mercado doméstico europeu, e para os outros países, que puderam comprá-los e se financiar com taxas de juros que traduziam um risco de crédito quase que germânico, experimentando um convidativo acréscimo em seu padrão de vida.
O que deu errado? A crise americana de 2008? A pergunta não coloca bem o problema, pois em um sistema de acumulação capitalista, em especial com forte viés financeiro, espera-se que ocorram ciclos, flutuações e crises. Minsky já escreveu sobre isso, explicando a natureza intrinsecamente instável desse sistema.
Talvez a pergunta correta fosse: o que é necessário para o bom funcionamento de uma economia com assimetrias internas importantes, em especial quanto ao grau de desenvolvimento?
O economista Kenneth Rogoff, em artigo recente ("O risco da moeda europeia"), fez um mapeamento, recordando-nos dos principais requisitos para esse bom funcionamento, alguns deles já descritos por Robert Mundell na década de 1960: livre mobilidade de mão de obra e de capitais, existência de um sistema de transferência fiscal e regras claramente definidas em relação ao emprestador de última instância, não apenas para os bancos, mas também para Estados e municipalidades. Um país como o Brasil, ou os Estados Unidos, possuem em maior ou menor grau esses requisitos, a comunidade do euro não os construiu.
Dado esse diagnóstico, fica a pergunta: qual a vantagem para um país da periferia do euro em continuar na moeda única? Se sua condição desfavorecida em termos de competitividade não pode ser compensada por mecanismos previstos em um acordo e se, por outro lado, também não dispõe de um mecanismo cambial para o acerto de suas condições de troca, qual o benefício em se manter na moeda? Se esse diagnóstico está correto, uma inferência a que podemos chegar é a de que os países periféricos da zona do euro são prisioneiros da moeda. O possível ganho no longo prazo de fazer parte de uma comunidade que emite moeda de reserva internacional não parece ser suficiente face aos sacrifícios que a população desse país terá que passar. Os noticiários mostram apenas o começo das dificuldades pelas quais já passam países como Irlanda, Grécia, Portugal, Itália e Espanha, isso fora a pecha de receberem a denominação de "PIIGS".
Quando líderes de países da periferia aceitam o receituário dado pela troica (FMI, BCE e Comunidade Europeia), pode-se supor que há uma indefinição quanto ao verdadeiro desejo de suas populações. Quando referendos confirmam o desejo dessas populações em permanecer na moeda única, mesmo com o preço alto que isso possa representar, podemos imaginar a situação do preso que começa a tentar entender os motivos do seu algoz e a racionalizá-los, justificando-os. Talvez o campo preferencial para esse tipo de análise esteja mais para uma psicologia das massas do que para uma economia que ainda se vangloria das virtudes da racionalidade.

.

.