Na crise, dinheiro na mão


Manter dinheiro ao alcance da mão e em títulos de alta liquidez é a melhor receita para enfrentar a tensão que prevalece no mercado financeiro internacional, a julgar pelos resultados da pesquisa do Bank of America Merrill Lynch com gestores. As aplicações em ações parecem mais arriscadas.

A proporção da alocação de ativos nos mercados acionários sobre o total despencou praticamente à metade – de 28% para 16% de abril para maio.
A pesquisa revela que os grandes investidores elevaram de 24% para 28%, também de abril para maio, a concentração de dinheiro em caixa. E reduziram de 48% para 33% as aplicações em títulos de renda fixa.
O apetite por commodities caiu ao menor nível em sete meses, mostra o BofA. Em abril, havia uma super exposição dos investidores em commodities. Em maio, o interesse era muito menor.
O comportamento desses investidores, comenta o banco, corrobora a expectativa pessimista para o crescimento econômico com baixa inflação.

.

.