Mercado mantém Selic em 8% em 2012 e reduz PIB a 3,09%



O relatório anterior do Banco Central previa crescimento do PIB em 3,20%

 

Divulgação/Banco Central
Prédio do Banco Central em Brasília
Documento mostrou ainda que o mercado continua acreditando que o BC reduzirá a Selic dos atuais 9% ao ano
São Paulo - Diante dos sinais de fraqueza e até do governo de que a atividade não se recuperou bem ainda, o mercado reduziu a previsão para o crescimento da economia brasileira neste ano, ao mesmo tempo em que manteve a estimativa para a Selic em 2012, com os especialistas prevendo mais cortes no futuro, de acordo com relatório Focus doBanco Central, divulgado nesta segunda-feira.
A previsão é de que a taxa básica de juros do país -hoje a 9 por cento ao ano- encerrará 2012 a 8 por cento, e que o Produto Interno Bruto (PIB) crescerá 3,09 por cento, ante 3,20 por cento no relatório da semana passada.
O documento mostrou ainda que o mercado continua acreditando que o BC reduzirá a Selic para 8,50 por cento na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em maio.
Para 2013, as contas dos agentes consultados pelo BC melhoraram sobre o PIB, com expansão de 4,50 por cento agora, ante 4,30 por cento no último relatório. Para a Selic, o mercado reduziu sua expectativa em 0,25 ponto percentual, para 9,50 por cento ao ano no final de 2013.
"Observamos que o primeiro trimestre deve ter sido muito fraco em termos de crescimento, pois todos os indicadores antecedentes apontam nessa linha. Então o mercado foi forçado a revisar para baixo suas estimativas. E essa é uma tendência que deve continuar nas próximas apurações (do Focus)", explicou a economista da Tendências Alessandra Ribeiro.
Segundo ela, a consultoria reduziu sua previsão de crescimento de 3,2 por cento para 2,5 por cento em 2012.
A flexibilização da política monetária é uma das armas usadas pelo governo para estimular o crescimento econômico. Até então, o objetivo era garantir uma expansão na casa de 4 por cento do PIB neste ano. Entretanto, já há avaliações dentro da própria equipe econômica da presidente Dilma Rousseff de que a expansão pode ser bem mais modesta, perto de 3,2 por cento.
Um sinal de alerta surgiu na semana passada para a economia brasileira. O BC divulgou na sexta-feira que o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma espécie de sinalizador do PIB, desacelerou para uma alta de 0,15 por cento no primeiro trimestre deste ano ante o anterior.
Entre outubro e dezembro passados o indicador havia mostrado expansão de 0,20 por cento sobre o trimestre imediatamente anterior. .
Ao lado da produção industrial, esse foi um dos fatores citados pela economista da Tendência para explicar as expectativas piores para a expansão do PIB. Em março, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a produção industrial havia recuado 0,5 por cento frente a fevereiro, fechando o primeiro trimestre do ano também com perdas de 0,5 por cento sobre o quarto trimestre de 2011.
"Fica difícil sustentar um número acima de 3 por cento (do PIB), mesmo com todos os estímulos, pois existe um cenário de incerteza externa potencializado por um cenário de incertezas internas", completou Alessandra.
O governo mantém em aberto o caminho para mais reduções na Selic ao deixar claro que o recente movimento de alta da inflação não preocupa e ao rejeitar que isso possa prejudicar o cumprimento da meta de inflação neste ano, cujo centro está estipulado em 4,5 por cento.
Em abril, o Copom reduziu a taxa em 0,75 ponto percentual, para os atuais 9 por cento ao ano, menor nível desde abril de 2010, quando passou de 8,75 por cento ao ano -menor patamar histórico- para 9,50 por cento.
Para a inflação, as estimativas apontam que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechará este ano em 5,21 por cento, frente aos 5,22 por cento vistos no relatório da semana passada. Entretanto, para 2013 a expectativa foi elevada de 5,53 por cento na semana passada para 5,60 por cento, o que foi considerado também um ponto de destaque.
"Existe uma perda de fôlego da atividade econômica, mas a inflação continua bastante rígida. Isso é um ponto de preocupação, porque se estivéssemos em um processo de aceleração da economia a inflação estaria muito mais para cima", avaliou o economista chefe da Austing Rating Alex Agostini.
Ainda segundo o Focus, a taxa de câmbio prevista pelo mercado para o fim de 2012 é de 1,85 real por dólar, inalterado ante a semana passada, apesar de a moeda norte-americana estar acima dos 2 reais e o próprio BC já ter feito uma intervenção para segurar mais altas
.

PARCEIROS E COLABORADORES UTILIZAM:

.