Inadimplência derruba lucro do Itaú Unibanco no 1º tri



  
Valor Economico
 
O Itaú Unibanco registrou lucro líquido de R$ 3,426 bilhões no primeiro trimestre deste ano, com queda de 2,96% em relação a igual período de 2011.
As provisões para devedores duvidosos foram o principal fator responsável pelo encolhimento do resultado do banco. Essas despesas somaram R$ 6,03 bilhões, com alta de 37,7% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado. É um cenário parecido com o observado na divulgação de resultados do Bradesco.
A carteira de crédito do Itaú somou R$ 347,369 bilhões, com alta de 14,3% na comparação com março de 2011. Em relação a dezembro, o aumento foi de apenas 0,55%. Considerando-se avais e fianças, a expansão dos empréstimos foi de 16,1% e de 0,9%, respectivamente.
Os desembolsos de crédito para pessoas físicas ficaram estacionados no Itaú Unibanco de dezembro de 2011 a março deste ano, em R$ 147,57 bilhões.
Isso aconteceu porque as carteiras de veículos e de cartão de crédito encolheram no período. Apesar de terem registrado aumento, o financiamento imobiliário (+8,5%) e o crédito pessoal (+6,5%) não foram capazes de manter os desembolsos em alta no banco.
Do lado das pessoas jurídicas, o crescimento da carteira foi de 1,1%, puxado pelas grandes empresas e também pelas operações de crédito do banco em outros países da América Latina.
A inadimplência total da carteira atingiu 5,1%, com alta de 0,2 ponto percentual em relação a dezembro e de 0,9 ponto percentual na comparação com março de 2011. Segundo o banco, em pessoas físicas, o maior impacto em termos de inadimplência veio das carteiras de veículos, crediário parcelado e cheque especial.
Os atrasos acima de 90 dias atingiram 6,7% na carteira de pessoa física, com alta de 0,1 ponto percentual em relação a dezembro. Nas empresas, a inadimplência alcançou 3,7%, uma elevação de 0,2 ponto percentual sobre o fim de 2011.
Os ativos totais do banco somaram R$ 896,8 bilhões, com alta de 5,3% em relação a dezembro.
Eficiência
A eficiência do Itaú Unibanco melhorou no primeiro trimestre deste ano. O índice de eficiência do banco encerrou março em 44,5%, melhor patamar dos últimos oito trimestres. Em dezembro, esse indicador estava em 47%. Quanto menor o índice de eficiência de um banco, mais eficiente ele é.
Concluída a integração de Itaú e Unibanco, que se uniram em 2008, o banco quer chegar a 2013 com um índice de eficiência de 41%.

.

.