Bancos menores captam com custo abaixo do CDI


Os grandes bancos têm aceitado aplicar parte de seus recursos por uma remuneração igual ou até inferior à do Certificado de Depósito Interbancário (CDI), taxa que reflete a média do custo dos empréstimos entre as instituições financeiras. É uma situação inusitada, já que, em geral, apenas pessoas físicas - sem poder de barganha - concordam em receber essa rentabilidade por seus investimentos.

Não pense, porém, que os bancos querem perder dinheiro. O raciocínio deles é básico: ganhar menos é melhor do que não ganhar nada. Desde fevereiro, o governo deixou de remunerar parte do dinheiro que os grandes bancos - Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Caixa, principalmente - são obrigados a depositar no Banco Central. Quem quiser ver o dinheiro render terá de comprar papéis de dívida ou carteiras de crédito de instituições de pequeno e médio portes. O objetivo da medida é aumentar a liquidez do sistema. Pelos cálculos do BC, a nova regra pode irrigar os bancos menores com cerca de R$ 30 bilhões, o equivalente a 36% do depósito compulsório.
Em geral, essas transações com bancos menores são fechadas por taxas que superam o CDI. Mas a possibilidade de barganha se abriu porque a procura por ativos de um restrito grupo de bancos aumentou muito depois da nova regra do BC. Com receio do risco que terão de correr para remunerar o dinheiro do compulsório, as tesourarias estão indo atrás, principalmente, de bancos que estejam menos alavancados e com atuação no crédito corporativo.
Valor conversou com três bancos médios de crédito corporativo que relataram já ter fechado operações ao custo do CDI ou até abaixo. O presidente de uma instituição afirmou que vendeu na semana passada R$ 150 milhões em letras financeiras - espécie de debênture dos bancos - com prazo de dois ano por 100% do DI. Um alto executivo de um grande banco confirmou que essas operações estão ocorrendo. Com isso, os pequenos estão trocando "funding" mais caro por outro mais barato e engavetando programas de oferta pública de letras financeiras.
Um banco de crédito consignado também relatou que a liquidez aumentou, fazendo a venda de carteiras de crédito crescer. Mas isso está se dando a taxas acima do DI.
A disputa por ativos de poucos bancos mostra que nem todas as 83 instituições que integram a ABBC, associação que reúne os bancos médios, estão sendo favorecidos. "Participantes estruturalmente fracos não serão necessariamente beneficiados pela esperada expansão de liquidez no mercado e terão de continuar a buscar recursos do Fundo Garantidor de Créditos", afirmou a Fitch, agência de classificação de risco, em relatório. O executivo de um banco de pequeno porte com atuação em crédito corporativo e consignado relata ainda não ter sentido nenhuma mudança na liquidez.
Para a ABBC, a medida foi favorável, apesar de não estar trazendo liquidez a todos. "Os bancos foram afetados diferentemente e há uma assimetria de informações que precisa ser trabalhada", diz Renato Oliva, presidente da ABBC.

.

.